Como o envelhecimento afeta as funções de movimento do corpo

67

Após um pico no início da idade adulta, a massa muscular tende a diminuir com o aumento da idade, e isso pode estar associado a declínios na força e na função musculoesquelética. Uma maneira de medir a função muscular é medir a força de preensão manual, que é um forte preditor de mortalidade, independente de quaisquer influências relacionadas à doença.

Os declínios relacionados à idade na força de preensão média nos países incluídos no SAGE e na Pesquisa de Saúde, Envelhecimento e Aposentadoria na Europa (SHARE) são mostrados abaixo:

relatório mundial de envelhecimento – OMS (2015)

As mulheres tendem a ter uma força de preensão mais fraca do que os homens e, para ambos os sexos, a força diminui com o aumento da idade. A taxa de deterioração da força de preensão foi semelhante na maioria dos países estudados. No entanto, o nível de pico alcançado varia acentuadamente, com pessoas na Índia e no México geralmente tendo menor força em todas as idades e sexos. Essas diferenças podem refletir uma mistura de fatores genéticos e do início da vida, como nutrição.

(Leia mais: Saiba como usar o E-book “Envelhecimento & Felicidade”)

O envelhecimento também está associado a mudanças significativas nos ossos e articulações. Com a idade, a massa ou densidade óssea tende a cair, principalmente entre as mulheres na pós-menopausa. Isso pode progredir a um ponto em que o risco de fratura aumenta significativamente (uma condição conhecida como osteoporose), o que tem sérias implicações para incapacidade, redução da qualidade de vida e mortalidade. As fraturas de quadril são um tipo particularmente devastador de fratura osteoporótica e, como resultado do envelhecimento populacional, elas se tornarão mais comuns, atingindo uma incidência global anual estimada de 4,5 milhões em 2050.

As taxas medianas padronizadas por idade de fraturas relacionadas à osteoporose variam geograficamente, sendo as mais altas observadas na América do Norte e Europa, seguidas pela Ásia, Oriente Médio, Oceania, América Latina e África (36).

(Leia: O que é o Envelhecimento para a Terapia Ocupacional?)

A cartilagem articular sofre significativas alterações estruturais, moleculares, celulares e mecânicas com a idade, aumentando a vulnerabilidade do tecido à degeneração. À medida que a cartilagem se desgasta e o fluido ao redor da articulação diminui, a articulação se torna mais rígida e frágil. Embora o amolecimento da cartilagem geralmente ocorra com a idade, isso não resulta universalmente em dor nas articulações ou na degeneração da cartilagem responsável pela osteoartrite, embora a prevalência desse distúrbio esteja fortemente associada à idade. Além disso, a atividade física moderada regular demonstrou melhorar as propriedades biomecânicas e biológicas da cartilagem articular.

Esses e outros declínios relacionados à idade impactam, em última análise, na função e movimento musculoesquelético mais amplo. Isso se reflete em uma diminuição na velocidade da marcha – ou seja, o tempo que alguém leva para caminhar uma distância especificada. A velocidade da marcha é influenciada pela força muscular, limitações articulares e outros fatores, como coordenação e propriocepção, e tem demonstrado ser um dos mais poderosos preditores de resultados futuros na velhice.

A figura abaixo demonstra a velocidade da marcha em diferentes idades nos seis países SAGE e mostra uma diminuição geral da velocidade da marcha com a idade.

Fonte: relatório mundial do envelhecimento- OMS (2015)

Vale sempre lembrar que essas são médias e que o processo de envelhecimento é único e determinado por vários fatores. =)

 

 

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.