Telerreabilitação ou Telereabilitação: qual o termo correto?

0
342

Diante do cenário da Pandemia por COVID-19 falar dos atendimentos através do telefone e celular tornou-se uma necessidade. Afinal, só através do acompanhamento remoto tornou-se possível continuidade do cuidado dos profissionais de reabilitação.

Dentre os esclarecimentos práticos sobre como fazer, quando fazer, com que público se aplica esse tipo de acompanhamento outra dúvida surgiu: como devo escrever de forma correta esse acompanhamento de reabilitação em português? Para alguns profissionais isso pode parecer uma informação supérflua, mas ainda é válida para tirar dúvidas de quem quer escrever um bom português.

Na corrida da busca de informações sobre esse acompanhamento, os profissionais (como nós) encontraram algumas referências do assunto, mas boa parte delas em outra língua. E, mesmo querendo saber o termo mais genérico ao atendimentos dos profissionais de reab para traduzir da melhor forma, a verdade é encontramos muitas possibilidades de termos, dentre eles o que une o prefixo “tele” à palavra “reabilitação”.

E, na agilidade que a pandemia exigiu, começamos muita vezes a nos referir a esse serviço como “telereabilitação”, nos esquecendo de consultar as regras ortográficas. No entanto, passado o tempo inicial de pandemia e a possibilidade de nos determos “detalhes” percebeu-se que faltava um “r” a essa palavra que veio para ser disruptiva na prática da reabilitação. Sendo assim, o termo correto para tal é “telerreabilitação” (com o “r” dobrado mesmo). E, se você quer entender bem direitinho qual é o porquê disso, clica aqui.

De toda forma, independente da especialidade, se você vai se referir a um serviço de reabilitação feito à distância através das tecnologias de informação  comunicação, use TELERREABILITAÇÃO e acerte na escrita.

Se esse assunto de Telerreabilitação te interessa, vamos deixar aqui alguns posts sobre o assunto:

1.Telessaúde: Normas Profissionais e Legais do Atendimento à Distância em Terapia Ocupacional

2.Contrato terapeuta-paciente na telessaúde

3. Telessaúde ou Telerreabilitação: qual a diferença entre esses serviços?

4. O Sigilo das Informações na Telessaúde

Sou terapeuta ocupacional de formação, comunicadora por dom e experiência ao longo dos 10 anos frente ao reab.me; empresária que aposta na produção de produtos e conteúdos significativos e com propósito para ajudar as pessoas que precisam dos cuidado da reabilitação. Editora-chefe do Reab.me. Terapeuta Ocupacional (UFPE) com especialização em Tecnologia Assistiva (UNICAP). Mestre em Design (UFPE). Sou autora de 4 livros de exercícios para estimulação cognitiva que servem como material de apoio em contextos terapêuticos que visam a manutenção ou melhora de disfunções cognitivas. Sendo eles: - 50 exercícios para estimulação cognitiva: o cotidiano em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a culinária em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a família em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva de crianças com dificuldades de aprendizagem. No mais, sou Ana, esposa de Fábio, mãe de Olga e Inácio. Praticante de meditação e yoga.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.