Princípios de avaliação e tratamento para pessoas com demência, estudo da Lancet

42

As pessoas com demência têm problemas complexos porque apresentam sintomas em muitos domínios. Estes incluem cognição, sintomas neuropsiquiátricos, atividades da vida diária e, geralmente, doenças físicas comórbidas.

As intervenções devem considerar a pessoa como um todo e atender às suas necessidades médicas, cognitivas, emocionais, psicológicas e sociais. Assim, os indivíduos necessitam de tratamentos diferentes e estes irão mudar com o curso da demência. A avaliação dos problemas de um indivíduo nessas áreas é denominada avaliação de necessidades.

Todos com demência devem ter sua saúde física, incluindo a medicação revisada, uma avaliação de risco, plano de gerenciamento e intervenções para maximizar a cognição. Os profissionais usam a abordagem clínica de considerar as necessidades individuais em cognição, psicose, agitação, depressão, sono e apatia e, em seguida, discutimos possíveis abordagens de gerenciamento, incluindo psicológica, social, ambiental, física e medicamentosa. Depois, algoritmos para ajudar a navegar nesses planos complexos.

Avaliação e gerenciamento de riscos

Parte da avaliação inicial de todas as pessoas com demência é avaliar e gerenciar o risco, para permitir que as pessoas com demência vivam bem em casa pelo maior tempo possível. Os riscos mudam ao longo do curso da demência e, portanto, exigem reavaliação regular.

A maioria das sociedades atribui um alto valor ético à autonomia. Portanto, a gestão de risco deve equilibrar os direitos de uma pessoa com demência com os da sociedade e dos desejos geralmente benéficos das famílias de reduzir os riscos. O princípio geral é de habilitação de risco, para permitir que as pessoas tenham uma quantidade aceitável de risco, gerenciada usando as opções menos restritivas. Essa estratégia requer uma avaliação da capacidade de decisão da pessoa com demência em relação aos riscos.

Os riscos que devem ser considerados surgem principalmente por causa da diminuição da capacidade de manter a segurança, por meio do esquecimento, apatia, diminuição da percepção ou mau julgamento. Tais riscos incluem, mas não estão limitados a, deficiências nutricionais resultantes da incapacidade de planejar comer e beber bem; não ser capaz de compreender ou lembrar-se de tomar a medicação conforme prescrito; falta de segurança em casa devido a quedas, inundações, incêndio ou fuga de gás, com riscos subsequentes para outras pessoas; má segurança rodoviária tanto ao caminhar como ao conduzir; e potencial vulnerabilidade ao crime e abuso de outros.

A remoção de meios de danos graves, incluindo o acesso a armas (naqueles países onde o porte de arma é legal) para pessoas com demência e cuidadores que pensam em causar danos, seria uma maneira prática de proteger contra danos. Impedir que as pessoas com demência que não podem dirigir com segurança o façam protege as pessoas com demência, os cuidadores e a sociedade; existem regras específicas de cada país sobre a condução.

Família, amigos ou profissionais de saúde frequentemente gerenciam outros riscos diariamente. Eles usam medidas simples, como garantir que pessoas vulneráveis ​​com demência não sejam deixadas sozinhas em situações de risco, pedir para comer, usar alarmes automáticos para calor, fumaça, gás ou movimento e usar pulseiras de alerta com detalhes de contato. Existem também medidas legais, como a nomeação de um membro da família como advogado, para que as famílias possam pagar as contas e administrar o dinheiro, e discutimos isso mais adiante na seção sobre cuidadores familiares. A medicação deve ser simplificada e pode ser embalada em formas fáceis de manusear.

As informações acima foram retiradas do artigo: Dementia prevention, intervention, and care. The Lancet. Published: July 20, 2017

Artigo anteriorComo Envelhecemos através das Atividades?
Próximo artigoIntervenções para Prevenir Demência: Atividades Cognitivas para Idosos
Sou terapeuta ocupacional de formação, comunicadora por dom e experiência ao longo dos 10 anos frente ao reab.me; empresária que aposta na produção de produtos e conteúdos significativos e com propósito para ajudar as pessoas que precisam dos cuidado da reabilitação. Editora-chefe do Reab.me. Terapeuta Ocupacional (UFPE) com especialização em Tecnologia Assistiva (UNICAP). Mestre em Design (UFPE). Sou autora de 4 livros de exercícios para estimulação cognitiva que servem como material de apoio em contextos terapêuticos que visam a manutenção ou melhora de disfunções cognitivas. Sendo eles: - 50 exercícios para estimulação cognitiva: o cotidiano em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a culinária em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a família em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva de crianças com dificuldades de aprendizagem. No mais, sou Ana, esposa de Fábio, mãe de Olga e Inácio. Praticante de meditação e yoga.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.