O exercício físico é um dos segredos para uma velhice mais feliz!

29
Idosos correndo

Em geral, os médicos promovem exercícios para aumentar o bem-estar em pessoas de todas as idades. Mas novos dados sugerem que esses benefícios podem ser especialmente pronunciados em idosos.

Os pesquisadores, de universidades e hospitais do Reino Unido e da Espanha, coletaram seus dados de uma amostra de 14.585 pessoas com mais de 65 anos em seis países de baixa e média renda no Estudo sobre Envelhecimento Global e Saúde do Adulto (SAGE) da Organização Mundial da Saúde. No estudo SAGE original, os participantes foram solicitados a avaliar sua felicidade regularmente ao longo de um período de três anos, escolhendo entre uma variedade de cinco opções de “muito infeliz” a “muito feliz”. Os administradores do SAGE também registraram se cada participante cumpriu ou não as diretrizes recomendadas de pelo menos 150 minutos de exercício moderado por semana, o que pode incluir atividades como caminhada rápida, ciclismo ou tênis.

A equipe do Reino Unido e da Espanha relatou em sua nova análise que quanto mais altas as pessoas pontuaram em medidas de atividade física, mais felizes elas se sentiram ao longo do tempo. Entre as pessoas que cumpriam regularmente as diretrizes de exercícios, mais da metade relatou sentir-se feliz ou muito feliz, enquanto entre as que não cumpriram as diretrizes, apenas 15% se descreveram positivamente.

Vários fatores foram propostos para explicar a associação entre exercício e felicidade em idosos, embora os pesquisadores reconheçam que fatores como mobilidade limitada, falta de sono e ansiedade podem afetar a capacidade de exercício de uma pessoa idosa.

Estudos anteriores mostraram que o exercício desencadeia a liberação de endorfinas, que promovem uma sensação de bem-estar. O exercício também provoca substâncias químicas cerebrais indutoras de calma, como ácido gama-aminobutírico (GABA) e endocanabinóides, ajudando a aliviar a ansiedade. Finalmente, as pessoas ativas são menos propensas a sucumbir ao declínio cognitivo à medida que envelhecem.

Fonte: Age Ageing 50, 488–497 (2021)

 

FONTENature
Artigo anteriorApoio para pessoas idosas LGBTQ+
Próximo artigoBaixa autoconfiança em idosos leva a maior fragilidade
Sou terapeuta ocupacional de formação, comunicadora por dom e experiência ao longo dos 10 anos frente ao reab.me; empresária que aposta na produção de produtos e conteúdos significativos e com propósito para ajudar as pessoas que precisam dos cuidado da reabilitação. Editora-chefe do Reab.me. Terapeuta Ocupacional (UFPE) com especialização em Tecnologia Assistiva (UNICAP). Mestre em Design (UFPE). Sou autora de 4 livros de exercícios para estimulação cognitiva que servem como material de apoio em contextos terapêuticos que visam a manutenção ou melhora de disfunções cognitivas. Sendo eles: - 50 exercícios para estimulação cognitiva: o cotidiano em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a culinária em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a família em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva de crianças com dificuldades de aprendizagem. No mais, sou Ana, esposa de Fábio, mãe de Olga e Inácio. Praticante de meditação e yoga.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.