Apoio para pessoas idosas LGBTQ+

40
Casal de homens vestindo blusas com arco-íris

Em 2020 quem lidava com a população idosa pôde descobrir que o distanciamento social significava que muitas pessoas LGBTQ+ mais velhas tinham que depender de cuidados de saúde e serviços públicos que, em sua forma normativa e de gênero, não estavam sintonizados com suas necessidades. Muitas organizações de advocacia que adaptaram seus serviços durante os bloqueios relataram que pessoas LGBTQ+ mais velhas se esconderam para evitar atenção indesejada de vizinhos e voluntários da comunidade.

À medida que o tamanho da população envelhecida cresce, aumenta também a sua diversidade. No Reino Unido, por exemplo, mais de 120.000 pessoas com mais de 65 anos se identificam como LGBTQ+.

Pessoas LGBTQ+ mais velhas em vários países testemunharam mudanças legais, políticas e sociais transformadoras durante suas vidas – embora seja importante lembrar que em 69 países, diversas identidades sexuais e de gênero permanecem ilegais, algumas com consequências terríveis.

Muitos adultos LGBTQ+ cultivam estruturas alternativas de apoio, conhecidas como “famílias de amizade” ou “famílias de escolha”. A manutenção dessas redes pode se tornar mais difícil à medida que as pessoas LGBTQ+ envelhecem, devido à perda de funções na aposentadoria, à morte de entes queridos, ao aparecimento de condições crônicas de saúde e às ameaças à sua independência. Como resultado, lésbicas e gays são mais propensos do que a população em geral a viver sozinhos em seus últimos anos, sem um parceiro ou filhos. Isso os priva de uma fonte de apoio de que dependem os sistemas de atendimento.

Ter confiança nos serviços de saúde e assistência social é importante. Revisão de 2020 das desigualdades em saúde no envelhecimento LGBTQ+ encontrou evidências de saúde e prestação de cuidados de saúde mais precárias em comparação com a população em geral, particularmente no que diz respeito ao câncer, demência, cuidados paliativos e serviços de saúde mental2.

No Reino Unido, as pessoas trans relatam algumas das maiores taxas de insatisfação com os cuidados de saúde. Há, em média, uma espera de quatro anos para acessar os serviços de identidade de gênero, o que é um problema para aqueles que esperaram até a aposentadoria para fazer a transição, talvez para evitar o trauma de fazê-lo na arena pública de um local de trabalho, ou até seus filhos cresceram.

Em 2003, o epidemiologista psiquiátrico Ilan Meyer cunhou o termo “estresse minoritário” para se referir à exposição ao longo da vida ao preconceito e à discriminação3. A pressão para se conformar a papéis estereotipados de sexo e gênero, e as sanções que as pessoas enfrentam quando não se conformam, podem levar ao aumento do tabagismo, uso de substâncias e obesidade. Essas fontes de estresse muitas vezes se cruzam com outros fatores decorrentes do poder e privilégio em torno de raça, cultura, etnia, deficiência, classe social e localização geográfica.

Experiências adversas podem levar pessoas LGBTQ+ a desenvolver recursos como habilidades sociais, resiliência emocional e consciência política. Tudo isso pode ser crucial na vida adulta, pois essas pessoas continuam a viver um estilo de vida diversificado, seja em casa ou em um ambiente de cuidados, e deve-se levar em consideração essas habilidades de vida nas interações com elas.

A educação é valiosa para abordar a crescente ansiedade entre os profissionais de saúde para melhorar os serviços para pessoas LGBTQ+ mais velhas. Em 2018, por exemplo, ao lado de colegas acadêmicos, os aurores desse artigo de referência da Nature, recrutaram oito idosos LGBTQ+ que foram treinados durante o estudo como conselheiros comunitários em seis locais administrados por um grande prestador de cuidados de saúde4. Os conselheiros usaram suas próprias experiências vividas, expertise, paciência e resiliência para educar e desafiar outros a adotar uma abordagem mais centrada na pessoa diante de algumas respostas comuns como “não temos pessoas assim aqui” e “tratamos todos do mesmo jeito”.

O projeto desenvolveu sete áreas de boas práticas na inclusão LGBTQ+ em lares de idosos: políticas e procedimentos; consulta; gerenciamento de riscos; suporte de fim de vida; segurança cultural; questões específicas de transgêneros; e desenvolvimento da força de trabalho. Outros esquemas já foram projetados para a comunidade LGBTQ+, destacando a necessidade de espaços inclusivos e ambientes de apoio onde as pessoas possam obter o que esperam à medida que envelhecem, como respeito por seus relacionamentos, assistência médica acessível e apoio.

Leia mais: Idosos LGBTI+: livro gratuito para baixar e refletir!

 

 

FONTENature
Artigo anteriorAtaxia: superando os desafios com a Terapia Ocupacional
Próximo artigoO exercício físico é um dos segredos para uma velhice mais feliz!
Sou terapeuta ocupacional de formação, comunicadora por dom e experiência ao longo dos 10 anos frente ao reab.me; empresária que aposta na produção de produtos e conteúdos significativos e com propósito para ajudar as pessoas que precisam dos cuidado da reabilitação. Editora-chefe do Reab.me. Terapeuta Ocupacional (UFPE) com especialização em Tecnologia Assistiva (UNICAP). Mestre em Design (UFPE). Sou autora de 4 livros de exercícios para estimulação cognitiva que servem como material de apoio em contextos terapêuticos que visam a manutenção ou melhora de disfunções cognitivas. Sendo eles: - 50 exercícios para estimulação cognitiva: o cotidiano em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a culinária em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a família em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva de crianças com dificuldades de aprendizagem. No mais, sou Ana, esposa de Fábio, mãe de Olga e Inácio. Praticante de meditação e yoga.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.