Demência em Estado Inicial: O que precisamos saber e ensinar a pessoa e a família?

65

Educar e apoiar pessoas com demência em estágio inicial ganhou foco crescente em todo o mundo como resposta ao envelhecimento da população e aos avanços limitados no tratamento médico da doença. Estudo publicado na Educational Gerontology mostrou o impacto de um curso para os envolvidos conhecerem a condição e o manejo para trazer mais saúde e perspectivas reais aos envolvidos. 

O objetivo deste estudo foi explorar as experiências de pessoas com demência em estágio inicial que receberam apoio e informações por meio de um curso de promoção da saúde de 12 semanas e identificar elementos da intervenção que potencialmente contribuem para o enfrentamento e adaptação à condição.

Os dados foram coletados por meio de entrevistas individuais semiestruturadas com 32 pessoas com demência após a participação no curso. Para cada participante, um parceiro de cuidados também foi entrevistado.

Os dados foram analisados ​​por meio de condensação sistemática de texto. Três categorias principais emergiram da análise. Estes foram:

(I) preencher a lacuna de informações pós-diagnóstico
(II) facilitar mudanças de comportamento de saúde
(III) novas perspectivas sobre como viver com a doença

Os resultados demonstraram que a intervenção foi bem recebida pelos participantes. Aprender sobre demência, conhecer outras pessoas na mesma situação e focar na manutenção de um estilo de vida saudável foi particularmente destacado, assim como a promoção da comunicação familiar.

A partir de experiências como esta percebemos como o processo de educação dentro do cuidado da demência é fundamental. E, abre a reflexão sobre a sistematização desse processo para trazer melhores resultados para as famílias, que precisam ter claras as informações. 

Martine Kajander, Martha Therese Gjestsen, Vigdis Vagle, Målfrid Meling, Anne Torsvik Henriksen & Ingelin Testad (2022) Health promotion in early-stage dementia – user experiences from an educative intervention, Educational Gerontology, 48:9, 391-403, DOI: 10.1080/03601277.2022.2043618

 

 

Artigo anteriorQuem é o cliente da Terapia Ocupacional: pessoa, grupo e população
Próximo artigoAposentadoria: precisamos “preparar” não apenas “planejar”
Sou terapeuta ocupacional de formação, comunicadora por dom e experiência ao longo dos 10 anos frente ao reab.me; empresária que aposta na produção de produtos e conteúdos significativos e com propósito para ajudar as pessoas que precisam dos cuidado da reabilitação. Editora-chefe do Reab.me. Terapeuta Ocupacional (UFPE) com especialização em Tecnologia Assistiva (UNICAP). Mestre em Design (UFPE). Sou autora de 4 livros de exercícios para estimulação cognitiva que servem como material de apoio em contextos terapêuticos que visam a manutenção ou melhora de disfunções cognitivas. Sendo eles: - 50 exercícios para estimulação cognitiva: o cotidiano em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a culinária em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a família em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva de crianças com dificuldades de aprendizagem. No mais, sou Ana, esposa de Fábio, mãe de Olga e Inácio. Praticante de meditação e yoga.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.