Como falar sobre a pessoa com demência? Um bom cuidador sabe!

98
A forma que falamos com a pessoa com demência é muito importante. Muitas vezes, a falta de compreensão do que é dito gera comportamentos de agressividade, irritação, dentre outros que chamamos de alterações de comportamento. Essas alterações são muito difíceis para quem cuida e também para quem é cuidado. Essa é a comunicação com a pessoa com demência. Mas, muitas vezes estamos falando sobre ela (tanto ao lado dela, como na ausência dela) e essa comunicação também importa.
As pessoas com demência são indivíduos com história, personalidade, relacionamentos e desejos. O diagnóstico não é o aspecto definidor de sua vida, nem significa que sua vida acabou. Devemos usar uma linguagem que reflita isso e, de certa forma, ensine as pessoas sobre esse olhar de respeito, dignidade e cuidado.
Ex.: Errado: Ele tem demência | Certo: Este é José, ele tem Doença de Alzheimer.
Veja que neste exemplo a frase errada resume a pessoa a doença que ela tem. Usar uma linguagem positiva nesse caso é apresentar a pessoa pelo nome, e aí sim: dizer que o que ele tem. A informação de dizer o nome dele vai ajudar a pessoa que está perguntando a usar o nome dele, José, quando falar com ele. E, de uma forma silenciosa, está lembrando àquela pessoa que chegou que ele é alguém e não uma doença. Pense assim: falamos com pessoas e não com doenças. Se referir a pessoa com demência pelo nome pode gerar em quem o está conhecendo agora atitudes que estimulem José a olhar, falar e interagir. E isto vai ser importante para o cérebro dele.
A forma que cada um de nós fala sobre a demência e entende o que ela significa pode mudar a forma como a sociedade vê e trata as pessoas com demência.

 

 

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.