Sarcopenia, Declínio Cognitivo e Doença de Alzheimer

121

A sarcopenia refere-se à perda de massa e função muscular relacionada à idade e está relacionada à saúde somática e cerebral prejudicada, incluindo declínio cognitivo e doença de Alzheimer. No entanto, as relações entre a sarcopenia, a estrutura cerebral e a cognição são pouco conhecidas.  Artigo publicado no Brain Communications investigou as associações entre características sarcopênicas, estrutura cerebral e desempenho cognitivo.

Compreenda como o estudo foi realizado: o estudo contou com 33.709 participantes do UK Biobank (54,2% do sexo feminino; faixa etária de 44 a 82 anos) com ressonância magnética estrutural e de difusão, infiltração de gordura no músculo da coxa (n=30.561) da ressonância magnética de corpo inteiro (indicador de qualidade muscular) e desempenho cognitivo geral, conforme indicado pelo primeiro componente principal de uma análise de componente principal em vários testes cognitivos (n=22.530). Desses, 1.703 participantes se qualificaram para provável sarcopenia com base na baixa força de preensão manual, e designamos os 32.006 participantes restantes para o grupo sem sarcopenia. Usamos a regressão linear múltipla para testar como as características sarcopênicas (provável sarcopenia vs. não sarcopenia; e porcentagem de infiltração de gordura muscular na coxa) se relacionam com o desempenho cognitivo e a estrutura cerebral (espessura e área cortical, anisotropia fracionada da substância branca e volumes cerebrais profundos e inferiores). Em seguida, usou-se a modelagem de equação estrutural para testar se a estrutura cerebral mediava a associação entre características sarcopênicas e cognitivas. Ajustamos todas as análises estatísticas para fatores de confusão.

O estudo mostrou que as características sarcopênicas (provável sarcopenia vs. não sarcopenia; e infiltração de gordura muscular) estão significativamente associadas a um desempenho cognitivo inferior e a várias medidas de RM do cérebro. Na provável sarcopenia, para as regiões cerebrais incluídas, observamos uma anisotropia fracionada da substância branca significativamente mais baixa e generalizada (77,1% dos tratos), volumes cerebrais regionais predominantemente mais baixos (61,3% dos volumes) e espessura cortical mais fina (37,9% das parcelas).

Por outro lado, observamos associações significativas entre maior infiltração de gordura muscular e espessura cortical mais fina generalizada (76,5% das parcelas), menor anisotropia fracionada da substância branca (62,5% dos tratos) e volumes cerebrais predominantemente mais baixos (35,5% dos volumes). As regiões que apresentaram os tamanhos de efeito mais significativos no córtex, na substância branca e nos volumes foram as do sistema sensório-motor. A análise de modelagem de equação estrutural revelou que as regiões cerebrais sensório-motoras mediam a ligação entre características sarcopênicas e cognitivas (sarcopenia provável: valores de p em [0,0001, 1,0e-11]; infiltração de gordura muscular: valores de p em [7,7e-05, 1,7e-12]).

Os resultados mostram associações significativas entre características sarcopênicas, estrutura cerebral e desempenho cognitivo em uma população de adultos de meia-idade e idosos.

As análises de mediação sugerem que a estrutura cerebral regional medeia a associação entre características sarcopênicas e cognitivas, com possíveis implicações para o desenvolvimento e a prevenção da demência.

 

FONTEBrain Communications
Artigo anteriorMateriais gratuitos para trabalhar com o tema da Páscoa
Próximo artigoJardins sensoriais, benefícios para pessoa idosa com DA
Sou terapeuta ocupacional de formação, comunicadora por dom e experiência ao longo dos 10 anos frente ao reab.me; empresária que aposta na produção de produtos e conteúdos significativos e com propósito para ajudar as pessoas que precisam dos cuidado da reabilitação. Editora-chefe do Reab.me. Terapeuta Ocupacional (UFPE) com especialização em Tecnologia Assistiva (UNICAP). Mestre em Design (UFPE). Sou autora de 4 livros de exercícios para estimulação cognitiva que servem como material de apoio em contextos terapêuticos que visam a manutenção ou melhora de disfunções cognitivas. Sendo eles: - 50 exercícios para estimulação cognitiva: o cotidiano em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a culinária em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a família em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva de crianças com dificuldades de aprendizagem. No mais, sou Ana, esposa de Fábio, mãe de Olga e Inácio. Praticante de meditação e yoga.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.