Gênios moldados pelo TDAH

6
9333

O TDAH é geralmente considerada como uma desvantagem na vida, com seus traços característicos da desatenção levando a problemas na escola e em casa.
Entretanto, o professor Michael Fitzgerald disse no encontro anual do Royal College of Faculty of Academic Psychiatry que poderia ser uma vantagem.

Claramente , TDAH não é uma garantia de ser um gênio, mas pode permitir um gênio criativo florescer. O professor Michael Fitzgerald alegou que foi possível identificar traços de TDAH em uma lista de figuras históricas, como Júlio Verne, Mark Twain, Sir Walter Raleigh, Thomas Edison, Oscar Wilde, James Dean, Clark Gable e até mesmo Che Guevara.

O professor relatou: “Os mesmos genes que estão envolvidos no TDAH também pode estar associada a comportamentos de risco. (..) “Enquanto esses impulsos podem ser problemáticas ou mesmo auto-destrutivo – ocasionalmente levando as pessoas para a delinquência, a toxicodependência ou a criminalidade, eles também podem levar a terra tremer avanços nos campos das artes, da ciência e da exploração.”

Ele disse que Kurt Cobain, compositor e vocalista do Nirvana, tinha uma capacidade “surpreendente” de se concentrar ao escrever músicas. “As pessoas com TDAH apresentam sintomas de desatenção, mas muitas vezes eles também têm uma capacidade de hiper-foco em uma área restrita, que é de particular interesse para eles.” (..)Claramente TDAH não garante um gênio, pode permitir a um gênio criativo florescer“.

Apesar de existirem potenciais armadilhas no diagnóstico por evidência histórica, o professor Fitzgerald apontou para pistas como a vida do “turbulento” Lord Byron , com evidências de que ele começou a ter problemas na escola e um comportamento criminoso quando adulto. Esta não é a primeira vez que os acadêmicos se voltam para os livros de história para dar exemplos de figuras famosas que podem ter sido moldadas por transtornos psiquiátricos. Ele sugeriu em um livro de 2004 que Mozart, George Orwell e Andy Warhol poderiam ser encaixados no espectro autista.
A professora Barbara Sahakian, um psicóloga clínica do Hospital Addenbrooke, em Cambridge, disse que seria difícil fazer um diagnóstico positivo de TDAH a menos que a documentação escrita fosse muito detalhada. “Você precisaria de um diário que, basicamente, respondesse todas as perguntas que eu gostaria de perguntar se a pessoa estivesse na minha frente no consultório.” Ela disse que da mesma forma que traços suaves da TDAH poderiam ser uma vantagem, as versões mais graves da doença poderiam ser muito debilitantes para o indivíduo.
Interessante, não?  Só tenho um comentário a fazer: “minha irmã tem um transtorno de atenção, mas ela não se encaixa bem na definição de gênio” kkkk (mas é MUITO esforçada, viu? ama estudar!).
Ana Katharina Leite
Fonte: BBC News
Sou terapeuta ocupacional de formação, comunicadora por dom e experiência ao longo dos 10 anos frente ao reab.me; empresária que aposta na produção de produtos e conteúdos significativos e com propósito para ajudar as pessoas que precisam dos cuidado da reabilitação. Editora-chefe do Reab.me. Terapeuta Ocupacional (UFPE) com especialização em Tecnologia Assistiva (UNICAP). Mestre em Design (UFPE). Sou autora de 4 livros de exercícios para estimulação cognitiva que servem como material de apoio em contextos terapêuticos que visam a manutenção ou melhora de disfunções cognitivas. Sendo eles: - 50 exercícios para estimulação cognitiva: o cotidiano em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a culinária em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a família em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva de crianças com dificuldades de aprendizagem. No mais, sou Ana, esposa de Fábio, mãe de Olga e Inácio. Praticante de meditação e yoga.

6 COMENTÁRIOS

  1. Muito legal o tópico!!!

    Tô pesquisando na net sobre isso, e segundo alguns testes, posso ser “portador de TDAH do Tipo Predominantemente Desatento”… hehehe

    Adorei a piada sobre a irmã… também sou muito “esforçado”.

  2. Bastante interesante el artículo, pero creo que el último comentario fue algo desafortunado. “No existe una definición científica precisa de genio, y la cuestión sobre si la noción en sí misma tiene algún significado ha sido largamente debatida.”
    Cambia tu punto de vista, evita poner etiquetas porque la variedad es necesaria.
    http://es.wikipedia.org/wiki/Genio_(persona)
    http://vicenteluisrubio.blogspot.com.es/2010/10/hiperactividad-famosos-con-tdah_23.html

  3. Isaac Newton, Albert Einstein, Beethoven, John Nash, Van Gogh, Thomas Edison, e outros, segundo pesquisadores sofriam de alguma doença psiquiátrica. O grande problema de hoje são pessoas se entupindo de remédio para depressão e para outras “doenças” sem descobrir a verdadeira causa. Tudo isso gera pessoas cada vez mais fracas, contribuindo para a sociedade que temos hoje, onde problemas são resolvidos com remédios, produtos, compras, etc.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.