Depressão: qual a relação com a Demência?

75

Um número substancial de estudos epidemiológicos relaciona a depressão ao declínio cognitivo e à demência. A inter-relação entre essas entidades clínicas é complexa e não compreendida de forma conclusiva.

Veja o que diz publicação da Nature sobre o assunto:

Depressão como fator de risco para demência

Os primeiros grandes estudos de base populacional há mais de duas décadas e estudos epidemiológicos subsequentes identificaram a depressão como um fator que aumenta o risco de declínio cognitivo e desenvolvimento de demência, particularmente demência na Doença de Alzheimer (DA). Evidências crescentes de meta-análises sugeriram que a depressão está associada a um aumento de mais de duas vezes no risco de demência, indicando uma hipótese de fator causal. Evidências de estudos longitudinais confirmam uma associação gradual entre a gravidade dos sintomas depressivos e o risco de demência, sendo o risco mais pronunciado na depressão grave. Além disso, estudos sugerem uma forte ligação entre o número de episódios depressivos e o risco de desenvolver demência, indicando um aumento de 14% no risco de demência por todas as causas a cada episódio de depressão.

Depressão como um sinal precoce ou pródromo de demência

Estudos adicionais mostraram que os sintomas depressivos antes do início da DA estão significativamente associados ao desenvolvimento da demência da DA, mesmo quando o início dos sintomas depressivos ocorreu mais de 25 anos antes do início dos sintomas cognitivos. Como as alterações neurodegenerativas na DA precedem o diagnóstico clínico em vários anos, os sintomas depressivos podem, portanto, também ser uma das primeiras manifestações não cognitivas dessa doença neurodegenerativa, sugerindo uma hipótese de causalidade reversa.

Além disso, o momento da depressão pode ser importante para definir a natureza da associação entre depressão e demência. Um estudo de coorte de acompanhamento de 28 anos descobriu que os sintomas depressivos mais tarde na vida foram significativamente associados ao desenvolvimento de demência, enquanto os sintomas depressivos no início do estudo não foram. Os resultados sugerem que os sintomas depressivos podem ser uma característica prodrômica da demência.

(Prodrômico: Relacionado aos pródromos, ao conjunto de sintomas que antecede a manifestação ou o aparecimento de uma doença)

A depressão tardia, em particular, tem sido associada a um risco aumentado de demência por todas as causas, demência vascular (DV) e DA. Evidências de estudos de coorte retrospectivos sugerem que o risco de DA é duplicado em indivíduos com sintomas depressivos no final da vida (sozinhos ou em combinação com sintomas de meia-idade), enquanto o risco de DV é mais que triplicado naqueles com depressão na meia-idade e no final da vida. Estudos com medidas repetidas de sintomas depressivos indicam que o risco subsequente de demência difere com diferentes cursos de depressão. O maior risco de demência só pôde ser encontrado na trajetória crescente dos sintomas depressivos, sugerindo ainda que a depressão pode ser um pródromo de demência.

Depressão como fator acelerador do declínio cognitivo antes e dentro da demência

A demência e o comprometimento cognitivo leve (CCL) têm sido relacionados a um risco aumentado de sintomas depressivos. A prevalência de depressão em pacientes com CCL é alta e a depressão é o sintoma neuropsiquiátrico predominante do CCL amnéstico.

Em uma meta-análise recente, a prevalência global combinada de depressão em pacientes com CCL foi de 32%. A prevalência geral de transtornos depressivos entre pacientes com demência é estimada em 25-30%, com uma prevalência significativamente maior de transtornos depressivos em DV (40-50%) e demência não especificada (32%) em comparação com DA (até 20%). Além disso, numerosos estudos mostraram o papel potencial da depressão na conversão da cognição normal para CCL e de CCL para demência. Na maioria dos estudos encontrados, a depressão é um importante fator acelerador que contribui para a progressão e conversão de um estado cognitivamente normal para CCL e demência. Os idosos com uma combinação de CCL e depressão ativa recentemente são um subgrupo particularmente de alto risco.

Assim, a associação entre depressão e demência levou a um debate contínuo sobre as razões subjacentes e a direção da causa (Fig. 1). Há pesquisas consideráveis ​​indicando que a depressão é um verdadeiro fator de risco predisponente para demência.

 

 

A depressão também pode ser um sintoma prodrômico precoce, um sinal precoce de alterações neurodegenerativas que ocorrem na demência, uma reação psicológica à incapacidade cognitiva e funcional (“carga cognitiva”) ou um sintoma de um fator de risco relacionado (confundidor), como na doença cerebrovascular . No entanto, cada uma dessas associações sugere que a depressão é um potencial fator modificável para o desenvolvimento da demência e o tratamento da depressão pode ter o potencial de retardar a progressão da demência.

Link para artigo: aqui! 

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.