Cuidadores cônjuges têm risco de desenvolver demência

0
2553

Maridos ou esposas que cuidam de cônjuges com demência têm seis vezes mais probabilidade de desenvolver déficit de memória que aqueles cujos cônjuges não tem, segundo os resultados de um estudo de 12 anos, liderado por Johns Hopkins da Utah State University e  Duke University, relatado no jornal de maio do American Geriatrics Society.

Alguns estudos pequenos têm sugerido que os cuidadores cônjuges freqüentemente mostram déficits de memória maior do que os cônjuges que não são cuidadores. No entanto, nenhum analisou a capacidade cognitiva dos cuidadores ao longo do tempo usando critérios rigorosos para diagnóstico de demência, um grave distúrbio caracterizado por déficits cognitivos na memória, atenção, julgamento, linguagem e outras habilidades.

Para obter algumas respostas, Johns Hopkins, Peter Rabins e uma equipe liderada pelo professor adjunto Maria Norton, Ph.D., da Utah State University, examinaram 1.221 casais idades 65 anos ou mais. Essas pessoas faziam parte do condado de Cache (Utah). O estudo da memória dessa amostra identificou mais de 900 pessoas com demência na comunidade desde 1995. Todos os participantes do estudo vivem em Cache County, cujos moradores cobriram a escala de longevidade no censo de 1990 os Estados Unidos.

A partir de 1995 os investigadores começaram a seleção de voluntários para a demência. Os primeiros voluntários preencheram questionários para avaliar o seu estado cognitivo. Aqueles cujos questionários sugeriram possível demência foram submetidos a uma avaliação global clínica administrada por enfermeiros e técnicos especialmente treinados. Finalmente, uma equipe liderada por um psiquiatra geriatra e um neuropsicólogo avaliaram os resultados.

Na amostra de 2.442 pessoas casadas os pesquisadores diagnosticaram 255 indivíduos com demência e descobriram que as pessoas cujos cônjuges já tinham sido diagnosticados tinham seis vezes mais probabilidade de desenvolver a doença se comparados com aqueles sem um cônjuge afetado.

Este risco aumentado é comparável ao risco de desenvolver a doença de Alzheimer e está associado com uma variação do gene bem estudado e conhecido como APOE 4.

Norton diz a natureza de longo prazo da nova pesquisa torna os resultados desse estudo diferentes dos anteriores que mostram a perda de memória em cuidadores cônjuges.”Nós sabemos que os declínios na memória que vimos foram reais e persistentes, não apenas um ponto no tempo em que eles não foram bem no desempenho dos testes”, diz ela se referindo aos estudos sem acompanhamento a longo prazo.

A força desse estudo é que os resultados são altamente representativos da comunidade, uma vez que a grande maioria dos residentes com 65 anos ou mais velhos participam da investigação em curso. Estudos anteriores têm frequentemente invocado resultados de pacientes de centros de memória e seus cuidadores, um exemplo que pode não caracterizar a comunidade em geral.

Rabins, Norton e seus colegas especulam que o estresse do cuidador pode ser responsável pelo risco aumentado de demência cônjuges, ainda que mais pesquisas sejam necessárias para identificar o que esse mecanismo poderia ser. Se o seu palpite está correto, diz Rabins, os médicos que tratam pacientes com demência deveriam prestar mais atenção aos esforços para diminuir o estresse dos cuidadores cônjuges.

“O cuidado tem aspectos positivos, bem como negativos. Se nós podemos aumentar os aspectos positivos e reduzir os negativos, podemos ser capazes de reduzir o risco de um cuidador de desenvolver demência “, disse Rabin.

Para obter mais informações, acesse:
http://www.usu.edu/epicenter/htm/studies/memorystudy
http://www.hopkinsmedicine.org/psychiatry/expert_team/faculty/R/Rabins.html
http://www.usu.edu/fchd/htm/personnel/memberID=1560

Ana Katharina

Fonte: Alzheimer’s Reading Room

Sou terapeuta ocupacional de formação, comunicadora por dom e experiência ao longo dos 10 anos frente ao reab.me; empresária que aposta na produção de produtos e conteúdos significativos e com propósito para ajudar as pessoas que precisam dos cuidado da reabilitação. Editora-chefe do Reab.me. Terapeuta Ocupacional (UFPE) com especialização em Tecnologia Assistiva (UNICAP). Mestre em Design (UFPE). Sou autora de 4 livros de exercícios para estimulação cognitiva que servem como material de apoio em contextos terapêuticos que visam a manutenção ou melhora de disfunções cognitivas. Sendo eles: - 50 exercícios para estimulação cognitiva: o cotidiano em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a culinária em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a família em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva de crianças com dificuldades de aprendizagem. No mais, sou Ana, esposa de Fábio, mãe de Olga e Inácio. Praticante de meditação e yoga.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.