Queda: sinal precoce de Alzheimer

0
2674

Quedas… assunto de fisioterapeuta e só?

Nananim não, não!!! Todos temos que prestar a atenção nas quedas… vejam o motivo...

As quedas são mais comuns entre indivíduos com os primeiros sinais da doença de Alzheimer, segundo um estudo apresentado pela Associação de Alzheimer na International Conference 2011 (AAIC 2011).

O estudo mediu a taxa de quedas entre os idosos cognitivamente saudáveis ​​com e sem sinais pré-clínicos de Alzheimer – medida de proteínas amilóides por meio de tomografia por emissão de pósitrons (PET) com composto Pittsburgh B (PIB) – e encontrou duas vezes o risco de quedas para as pessoas com níveis mais elevados do PiB em sua digitalização.

Em adultos mais velhos as quedas contribuiram para a prematura colocação no lar de idosos e para ferimentos relacionados com a mortalidade. Há também custos mais elevados de saúde associados com quedas – mais de US $ 19 bilhões poderiam ser atribuído aos custos médicos diretos de quedas em 2000.

Idosos com Alzheimer podem estar em maior risco de quedas por causa do equilíbrio e distúrbios da marcha e problemas com a percepção visual e espacial que são causados ​​pela doença.

“Compreender as características tradicionais da doença de Alzheimer, incluindo disfunção cognitiva e perda de memória, são importantes, no entanto, os resultados deste estudo também ilustram a importância do entendimento de que, em algumas pessoas, alterações na marcha e equilíbrio podem aparecer antes de prejuízo cognitivo“, disse Maria Carrillo , PhD, diretora da Associação.

A evidência científica sugere que mudanças biológicas podem estar ocorrendo no cérebro uma década ou mais antes de podermos ver os sintomas exteriores da doença de Alzheimer. De acordo com este estudo, uma queda de uma idosa que, tem um baixo risco de cair, pode sinalizar a necessidade de uma avaliação diagnóstica para a doença de Alzheimer “, referiu Carrillo.

Liderado por Susan Stark, PhD, Professora Assistente de Terapia Ocupacional e Neurologia da Universidade Washington em St. Louis, o estudo de 8 meses seguidos com 125 adultos mais velhos contribuiram com amostras de líquido cefalorraquidiano (LCR). Cada participante foi convidado para registrar quantas vezes eles cairam, que foi definido como o movimento não intencional para o andar. Alguns dos participantes tinham sinais pré-clínicos de Alzheimer e outros não. Com uma média de 191 dias de dados coletados para os participantes, o estudo constatou que 48 pessoas apresentaram pelo menos uma queda. Uma imagem positiva PiB PET resultou em um risco 2,7 vezes maior de uma queda.

“Num futuro próximo, com a continuação da investigação, vamos melhorar a nossa capacidade de detectar e intervir precocemente na doença de Alzheimer. Com a detecção precoce, talvez possamos também diminuir o risco de quedas, que pode ser incapacitante, caro e até mesmo mortal em adultos mais velhos “, disse Carrillo. “A pesquisa adicional é necessária e urgente, por exemplo, para explorar ainda mais a relação entre déficit motor e quedas como possíveis sinais precoces da doença de Alzheimer.

Fonte: Alzheimer’s Reading Room

Foto: CAITLIИ|

Sou terapeuta ocupacional de formação, comunicadora por dom e experiência ao longo dos 10 anos frente ao reab.me; empresária que aposta na produção de produtos e conteúdos significativos e com propósito para ajudar as pessoas que precisam dos cuidado da reabilitação. Editora-chefe do Reab.me. Terapeuta Ocupacional (UFPE) com especialização em Tecnologia Assistiva (UNICAP). Mestre em Design (UFPE). Sou autora de 4 livros de exercícios para estimulação cognitiva que servem como material de apoio em contextos terapêuticos que visam a manutenção ou melhora de disfunções cognitivas. Sendo eles: - 50 exercícios para estimulação cognitiva: o cotidiano em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a culinária em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a família em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva de crianças com dificuldades de aprendizagem. No mais, sou Ana, esposa de Fábio, mãe de Olga e Inácio. Praticante de meditação e yoga.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.