Como o envelhecimento afeta a memória e a cognição?

128

O processo natural do envelhecimento, que chamamos de senescência, no que diz respeito às mudanças cognitivas, de maneira geral, existe perda em quase todos os domínios cognitivos. O Relatório Mundial sobre Envelhecimento e Saúde da OMS (2015) explica:

As funções cognitivas variam muito entre as pessoas e estão intimamente relacionadas aos anos de educação. Muitas funções cognitivas começam a diminuir em uma idade relativamente jovem, com diferentes funções diminuindo em taxas diferentes. Como consequência, o funcionamento torna-se cada vez mais heterogêneo com o aumento da idade.

Alguma deterioração na memória e na velocidade de processamento da informação é comum, e as queixas sobre isso são frequentemente relatadas por pessoas idosas. No entanto, embora o envelhecimento esteja associado a uma diminuição na capacidade de lidar com tarefas complexas que exigem divisão ou mudança de atenção, ele não parece reduzir a capacidade de manter a concentração ou evitar distrações.

Da mesma forma, embora o envelhecimento esteja associado a reduções na capacidade de aprender e dominar tarefas que envolvem manipulação ativa, reorganização, integração ou antecipação de vários itens de memória, há pouca associação com memória para informações factuais, conhecimento de palavras e conceitos, memória relacionado ao passado pessoal e memória processual (por exemplo, para as habilidades necessárias para andar de bicicleta). Assim, nem todas as funções cognitivas se deterioram com a idade, e as características da linguagem, como compreensão, leitura e vocabulário, em particular, permanecem estáveis ​​ao longo da vida.

A variação de pessoa para pessoa no declínio das funções cognitivas com a idade é influenciada por muitos fatores, incluindo status socioeconômico, estilo de vida, presença de doenças crônicas e uso de medicamentos, sugerindo que há oportunidades para intervenções de saúde pública em todo o mundo.

(Conheça: Cadernos com Exercícios de Estimulação Cognitiva)

Há também algumas evidências de que o declínio cognitivo normal relacionado à idade pode ser parcialmente compensado pela competência prática e experiência adquirida ao longo da vida, e reduzido pelo treinamento mental e atividade física.

Crucialmente, as mudanças sutis e heterogêneas no funcionamento cognitivo que são observadas em idosos saudáveis são bastante distintas das mudanças associadas à demência.

Leia: Relatório Mundial do Envelhecimento Saudável

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.