Bilingues e demência

1
2725

Recentemente, foi publicado aqui um post tratando de crianças bilingues e sua relação com a cognição. Então… resolvi pesquisar algo sobre os bilingues e as demências. Vamos aos fatos, ou melhor, às notícias?

Uma vida inteira falando duas ou mais línguas pode modificar o padrão dos sintomas das demências, segundo o The Wall Street Journal.
O multilinguismo não atrasa o início da demência – o cérebro de pessoas que falam vários idiomas mostram sinais de deterioração física -, mas o processo de falar duas ou mais línguas parece permitir que as pessoas desenvolvam habilidades para lidar melhor com os primeiros sintomas de algumas doenças, incluindo Alzheimer.

Os cientistas durante anos estudaram e constataram que as crianças que falam fluentemente mais de um idioma mais “trabalho mental”. Comparados com pessoas que falam apenas um idioma, as crianças bilíngües e jovens adultos têm vocabulários um pouco menor e são mais lentas executar determinadas tarefas verbais, tais como nomeação de listas de animais ou frutas.

Mas ao longo do tempo, regularmente falando mais de uma língua, parecem reforçar as capacidades que impulsionam a reserva do “cérebro cognitivo”, a capacidade de trabalho, mesmo quando está estressado ou danificado. Este acúmulo de reserva cognitiva aparece para ajudar as pessoas bilíngües à medida que envelhecem.

“Falar duas línguas não vai fazer nada para evitar a instalação da doença de Alzheimer ou de outra demência”, diz Ellen Bialystok, pesquisador de bilinguismo da Universidade de York em Toronto. Mas a maior reserva cognitiva, dá “mais tempo”, é o “mesmo que o tanque de reserva em um carro: uma vez que o cérebro fica sem combustível, ele pode ir um pouco mais”, diz ela.

Especificamente, as vantagens do bilinguismo estão relacionados com uma função do cérebro conhecida como controle inibitório: a capacidade de parar de prestar atenção a uma coisa e se concentrar em outra coisa, diz Bialystok. Fluentes de mais de uma língua tem que usar essa habilidade continuamente para o “silêncio” de uma língua e a ativação de outra.

Os investigadores não sabem se é benéfico para as pessoas aprenderem mais de um idioma, se não se fala fluentemente ou quase todos os dias. A idade em que a segunda língua deve ser aprendida para produzir o efeito protetor também é desconhecida.

Fonte: myfox.com

Sou terapeuta ocupacional de formação, comunicadora por dom e experiência ao longo dos 10 anos frente ao reab.me; empresária que aposta na produção de produtos e conteúdos significativos e com propósito para ajudar as pessoas que precisam dos cuidado da reabilitação. Editora-chefe do Reab.me. Terapeuta Ocupacional (UFPE) com especialização em Tecnologia Assistiva (UNICAP). Mestre em Design (UFPE). Sou autora de 4 livros de exercícios para estimulação cognitiva que servem como material de apoio em contextos terapêuticos que visam a manutenção ou melhora de disfunções cognitivas. Sendo eles: - 50 exercícios para estimulação cognitiva: o cotidiano em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a culinária em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a família em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva de crianças com dificuldades de aprendizagem. No mais, sou Ana, esposa de Fábio, mãe de Olga e Inácio. Praticante de meditação e yoga.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.