Zumba, uma dança latina, que ajuda o Parkinson

2
3606

Combater fogo com fogo, e essa é a abordagem que Jane Busch leva em sua batalha contra a doença de Parkinson. Para combater os efeitos da condição que lentamente tira dos clientes a capacidade de se mover, Busch se move.. e muito.

Mais especificamente, este dentista aposentado de Cross Plains, usa Zumba, uma forma de dança latina, para se manter em forma e ativo e para combater a deterioração das habilidades motoras do Parkinson.

Além do mais, Busch, 57 anos, ensina aos outros com Parkinson a fazer o mesmo em uma aula regular na tarde das sextas ministradas por ele no Harbor Club Athletic em Middleton. A aula também se destina a ajudar de uma “forma cognitiva”, bem como disse Busch. Na sua aula de Zumba, onde os participantes são convidados a pensar sobre os passos e movimentos da dança, Busch afirma que esse é “tanto um exercício do cérebro como um exercício físico”.

Pesquisas apóiam a ideia de que a atividade física regular pode ser de grande benefício para aqueles com doença de Parkinson, disse Dr. Teresa Mangin, neurologista do Dean-St. Maria, especializada no tratamento de Parkinson. “Há literalmente centenas de estudos que justifiquem essa ideia”, disse ela. “Curiosamente, não tenho dúvida de que os pacientes que se exercitam regularmente permanecem ativos por mais tempo. “Quando se trata de Parkinson, é realmente um ” use ou perca”.

Um participante regular na aula Busch às sextas é Ed Garvey, advogado de Madison e ativista político, e hoje é editor da revista online Fightingbob. Garvey, que tem Parkinson, começou a ter aulas com Busch há várias semanas.  “Enquanto minha esposa confirma que eu sou um péssimo dançarino de música latina, eu me sinto melhor depois das aulas de Zumba”.

Fonte: madison.com

Foto: Luciana Ruivo

 

Sou terapeuta ocupacional de formação, comunicadora por dom e experiência ao longo dos 10 anos frente ao reab.me; empresária que aposta na produção de produtos e conteúdos significativos e com propósito para ajudar as pessoas que precisam dos cuidado da reabilitação. Editora-chefe do Reab.me. Terapeuta Ocupacional (UFPE) com especialização em Tecnologia Assistiva (UNICAP). Mestre em Design (UFPE). Sou autora de 4 livros de exercícios para estimulação cognitiva que servem como material de apoio em contextos terapêuticos que visam a manutenção ou melhora de disfunções cognitivas. Sendo eles: - 50 exercícios para estimulação cognitiva: o cotidiano em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a culinária em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a família em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva de crianças com dificuldades de aprendizagem. No mais, sou Ana, esposa de Fábio, mãe de Olga e Inácio. Praticante de meditação e yoga.

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.