Terapia Ocupacional: Papel Fundamental para o Envelhecimento Saudável

0
11

A Federação Mundial de Terapia Ocupacional (WFOT) lançou a declaração de posicionamento sobre o assunto “Terapia Ocupacional e o Envelhecimento ao Longo da Vida“. Esse documento, que você pode baixar aqui, é importante não apenas para compreender, mas para se fundamentar nas ações que a Terapia Ocupacional pode envolver e que são importantíssimas para o Envelhecimento Saudável.

Como é de esperar, o documento coloca que a Terapia Ocupacional tem um papel essencial em um sistema integrado de serviços necessários para o envelhecimento saudável ao longo da vida. O termo Envelhecimento Saudável já foi colocado aqui no reab algumas vezes , mas não devemos esquecer que é um conceito que trata sobretudo de participação naquilo que se valoriza e não na ausência de doenças.

(Leia: Relatório Mundial do Envelhecimento Saudável)

O foco único da terapia ocupacional nas ocupações de valor deve favorecer a capacidade funcional dos idosos em contextos significativos para apoiar a participação, inclusão, respeito e segurança. As palavras “participação, inclusão, respeito e segurança” usadas na declaração podem ser vistas em muitas das estratégias, recursos e ações que podem ser desenvolvidas pelo terapeuta ocupacional. De forma especial, vale destacar a questão importantíssima do Ageísmo (Etarismo ou Idadismo) que no Brasil e no mundo precisa se tornar tema recorrente de reflexão para o apoio ao pertencimento do idoso.

Os terapeutas ocupacionais reconhecem que o envelhecimento ativo, com envolvimento em atividades ao longo da vida e interação social contribui significativamente para a criação e manutenção da saúde, bem-estar e qualidade de vida. Lembrando que o conceito de bem-estar tem sido usado na ciência para estudar a Felicidade (através do constructo bem-estar subjetivo – BES).

Os terapeutas ocupacionais são especialistas na relação entre o meio ambiente, a ocupação e as pessoas. Usando processos baseados em evidências, a terapia ocupacional aborda fatores como habilidade individual, design do ambiente construído, política institucional e atitude social para promover os direitos e oportunidades para os idosos se engajarem em ocupações de escolha ou necessidade.

A Estratégia Global e Plano de Ação sobre Envelhecimento e Saúde da OMS é direcionado a uma visão em que todas as pessoas podem viver uma vida longa e saudável. Os terapeutas ocupacionais contribuem para essa visão, permitindo que os idosos se envolvam em ocupações com significado, proporcionem benefícios econômicos e contribuam para o contexto cultural de suas comunidades. Essa colocação ampliada sobre os benefícios econômicos e cultural das comunidades é um discurso importante quando pensamos em uma ação da terapia ocupacional com impacto na sociedade. Não é manter o idoso funcional para que ele fique em casa participando do que ele valoriza, mas sobretudo, participando socialmente, pertencendo a sociedade.

Os terapeutas ocupacionais também moldam o contexto ocupacional, aumentando a consciência das necessidades dos adultos mais velhos e apoiando o desenvolvimento de um design inclusivo. Os terapeutas ocupacionais têm um papel multifacetado para promover ambientes amigáveis aos idosos, incluindo o envolvimento com o fornecimento de tecnologia assistiva, educação e treinamento; possibilitar a participação e segurança da comunidade; influenciar políticas e atitudes; e abordando acessibilidade de habitação e edifícios comunitários, transporte e espaços exteriores.

(Leia também: Casa do Idoso: Modificações e Adaptações um Quarto Seguro!)

Sabe-se que os idosos muitas vezes enfrentam redução das oportunidades sociais e econômicas, danos à autoestima e agravos à saúde física e mental em decorrência da dinâmica etária. Os terapeutas ocupacionais adotam uma abordagem baseada em direitos para combater a injustiça ocupacional e a marginalização para promover oportunidades para todas as pessoas se engajarem livremente em ocupações necessárias e escolhidas.

O rápido envelhecimento da população está ocorrendo em quase todos os países a uma taxa sem precedentes. Espera-se que uma em cada cinco pessoas tenha 60 anos ou mais em 2050, totalizando dois bilhões de pessoas em todo o mundo. Essa mudança populacional tem um impacto de longo alcance. As escolhas e possibilidades ocupacionais dos idosos são reconhecidas por serem moldadas pelo contexto social, com independência, mobilidade, qualidade de vida e segurança afetados pelas características do ambiente construído.

São necessários apoios inclusivos e infraestrutura acessível, concebidos para permitir a participação dos idosos na sociedade. Os terapeutas ocupacionais trabalham em  colaboração com parceiros-chave para promover a participação ocupacional e influenciar a política social e a infraestrutura em relação aos contextos locais e às necessidades da população. A abordagem centrada no cliente e de capacitação dos terapeutas ocupacionais capacita os idosos a se engajarem no design de seu ambiente, aumentar sua capacidade de trabalhar, viver e envelhecer no local e contribuir para sua saúde e bem-estar geral. Os benefícios podem ser múltiplos; os idosos possuem ampla experiência para contribuir com a sociedade em diversas áreas da vida. A habilitação desse recurso de conhecimento e habilidades reduz o isolamento social e avança o desenvolvimento social ao promover a diversidade, o envolvimento intergeracional e a produtividade.

Conclusão

Os idosos oferecem recursos valiosos para famílias, comunidades e economias, mas enfrentam o risco de declínio de habilidades e perdas de funções associadas, isolamento social e marginalização como parte do processo de envelhecimento. O envelhecimento saudável é uma estratégia para desenvolver e manter a capacidade funcional para possibilitar o bem-estar na terceira idade. Os terapeutas ocupacionais têm um papel fundamental na capacitação dos idosos no envelhecimento saudável, permitindo ocupações, bem como ambientes que apoiem a ocupação ao longo da vida.

 

Sou terapeuta ocupacional de formação, comunicadora por dom e experiência ao longo dos 10 anos frente ao reab.me; empresária que aposta na produção de produtos e conteúdos significativos e com propósito para ajudar as pessoas que precisam dos cuidado da reabilitação. Editora-chefe do Reab.me. Terapeuta Ocupacional (UFPE) com especialização em Tecnologia Assistiva (UNICAP). Mestre em Design (UFPE). Sou autora de 4 livros de exercícios para estimulação cognitiva que servem como material de apoio em contextos terapêuticos que visam a manutenção ou melhora de disfunções cognitivas. Sendo eles: - 50 exercícios para estimulação cognitiva: o cotidiano em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a culinária em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a família em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva de crianças com dificuldades de aprendizagem. No mais, sou Ana, esposa de Fábio, mãe de Olga e Inácio. Praticante de meditação e yoga.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.