Quais suplementos podem melhorar a cognição e prevenir as Demências?

0
4409

A investigação sobre os vários nutrientes, incluindo fosfolipídios, vitamina D, antioxidantes e niacina, indica que poderemos ser capazes de exercer algum controle sobre a progressão da demência e para impulsionar a cognição. Esta é a visão de alguns estudos recentes sobre vários suplementos para a função cognitiva.

Fosfolipídeos

Pesquisadores têm se concentrado na pesquisa de fosfolipídios, responsáveis nas membranas das células nervosas por facilitar o transporte de informações e de nutrientes entre os ambientes externo e interno da célula.

Os fosfolipídios da membrana celular permite que proteínas e minerais (como os canais de sódio e potássio) controlem o movimento de nutrientes e íons através da membrana celular.

Déficits nos fosfolipídeos levam a um desalinhamento da polaridade da membrana celular, resultando, dentre outras coisas, uma reduzida condutividade das células nervosas. Pesquisadores da Universidade de Kentucky descobriram que a perda de assimetria entre as células cerebrais (associada a alterações nos fofolipídeos) foi associada com a progressão do declínio cognitivo leve para Alzheimer doença.

Pesquisadores das Universidades de Stanford e Vanderbilt entregaram a 149 pacientes, que sofrem de disfunção de memória associada à idade,  300 mg de fosfatidilserina ou um placebo para ser usado durante 12 semanas. O grupo que recebeu a substância obteve melhoria na aprendizagem e nas avaliações de desempenho de memória (30% em relação ao grupo placebo).

Pesquisadores da Universidade de Munique, do Hospital Psiquiátrico, deram a 33 pacientes com demência degenerativa primária a fosfatidilserina ou um placebo. Após oito semanas, o grupo da fosfatidilserina apresentou melhora clínica nas avaliações globais. Em outro estudo alemão, a aplicação da fosfatidilserina durante seis meses resultou em melhora da função cognitiva e melhoria da glicose durante a estimulação da região do cérebro usando PET imaging.

A vitamina do Sol (vitamina D)
A deficiência de vitamina D tem sido associada com problemas cognitivos. Num estudo de 2008 da Escola Emory de Medicina, 55 % dos pacientes com doença de Parkinson e 41 %  dos pacientes com a doença de Alzheimer apresentavam deficiência de vitamina D.

As respostas para combater esse problema pode ser tão simples quanto tomar um pouco de sol. Um estudo da Universidade do Alabama com 16.800 adultos com idade acima de 45 anos relacionaram níveis mais elevados de exposição ao sol com o aumento da função cognitiva. O benefício foi ainda maior entre os deprimidos.

Além disso, a suplementação de vitamina D3 pode também fornecer benefícios cognitivos. Alguns estudos têm mostrado uma melhora na cognição, embora outros tenham sido inconclusivos. Em uma revisão extensa dos estudos da vitamina D, os investigadores da Universidade de Angers encontrados três estudos de qualidade suficiente para indicar uma associação significativa entre a cognição e a suplementação D3, enquanto outros três não mostraram significativa associação positiva entre a suplementação de vitamina D e melhora da função cognitiva.

Niacina

A deficiência de niacina também tem sido associada com demência e risco da doença de Alzheimer. Em um estudo recente de cinco anos com 3.718 voluntários de Chicago, publicada no Jornal de Neurocirurgia e Psiquiatria, o risco de desenvolver mal de Alzheimer foi reduzido em 80% entre os grupos cujos alimentos tinham maior quantidade de niacina (22,5 mg / dia)e 70% em grupos que consumiam niacina por meio de suplemento (17-45 mg / dia).

A niacina é encontrada em abundância nas nozes, laticínios e vegetais verdes folhosos, mas os pacientes também podem comprar em uma loja de suplementos alimentares.Enquanto o ácido nicotínico é a forma mais estudada, muitas pessoas e médicos preferem a niacina na forma de hexanicotinate inositol.

Outras abordagens

Estudos sobre multivitamínicos e antioxidantes também têm demonstrado resultados favoráveis na redução de declínio cognitivo. Por exemplo, pesquisadores da Universidade de Perugia, Itália, estudaram 141 pacientes idosas com transtorno cognitivo leve, doença de Alzheimer ou que estavam saudáveis.Os níveis plasmáticos de vitamina A, vitamina E, luteína, zeaxantina, beta-criptoxantina, licopeno, alfa e beta-caroteno foram significativamente menores entre os TCL e DA subjects.

Em um estudo sobre multivitaminas, pesquisadores da Universidade de Calgary estudaram 894 voluntários de 65 anos sem sinais de demência. Após cinco anos, aqueles que tomaram vitamina C e E e/ou multivitaminas durante o período mostraram uma probabilidade significativamente menor (OR =. 51) de declínio cognitivo. Aqueles que tomaram as vitaminas antioxidantes também tiveram um risco ainda menor (OR =. 34) da disfunção cognitiva de causa vascular.

Como com qualquer suplemento, o cliente deve estar ciente das possíveis interações com medicamentos existentes, bem como da necessidade de uma dieta rica nestes nutrientes. Estudos de análise de dieta e uso de produtos hortícolas mostram uma redução significativa do risco de demência. Por exemplo, o American Journal of Psychiatry Geriatrics publicou um estudo no final de 2009 que se seguiu 3.779 gêmeos suecos de 30 anos.Aqueles que comeram mais frutas e vegetais apresentaram um risco significativamente menor de demência.

Embora estudos estejam em curso e, obviamente, nenhuma solução mágica possa hoje apagar os problemas cognitivos, a utilização complementar das estratégias naturais podem fornecer outros meios de reduzir o risco de demência e de declínio cognitivo.

Fonte: Advance.web

Foto: selva

Sou terapeuta ocupacional de formação, comunicadora por dom e experiência ao longo dos 10 anos frente ao reab.me; empresária que aposta na produção de produtos e conteúdos significativos e com propósito para ajudar as pessoas que precisam dos cuidado da reabilitação. Editora-chefe do Reab.me. Terapeuta Ocupacional (UFPE) com especialização em Tecnologia Assistiva (UNICAP). Mestre em Design (UFPE). Sou autora de 4 livros de exercícios para estimulação cognitiva que servem como material de apoio em contextos terapêuticos que visam a manutenção ou melhora de disfunções cognitivas. Sendo eles: - 50 exercícios para estimulação cognitiva: o cotidiano em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a culinária em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a família em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva de crianças com dificuldades de aprendizagem. No mais, sou Ana, esposa de Fábio, mãe de Olga e Inácio. Praticante de meditação e yoga.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.