Medicações para condições como Malária podem ser usadas no tratamento da Demência Frontotemporal

0
2557
Um novo estudo revelou que várias drogas já existentes no mercado para tratar malária, angina ou distúrbios do ritmo cardíaco também podem ser usados no tratamento de uma forma específica da demência frontotemporal. 

A demência frontotemporal é causada pela destruição das células nervosas na região frontal e temporal do cérebro (lobo fronto-temporal), o que leva, entre outros sintomas, a uma mudança na personalidade e comportamento.

Anja Capell e Prof Christian Haass têm mostrado agora que estes medicamentos podem aumentar a produção de progranulin, apontada como possível causa desse demência.

Como quase todos os outros genes, há também duas cópias do gene progranulin na célula. Em pacientes com demência frontotemporal “dependentes de progranulin”, uma das duas cópias é defeituosa, levando a uma redução de 50% nos níveis de progranulin.

Para resgatar a falta de progranulin, os pesquisadores testaram várias substâncias por suas capacidades de estimular a produção de progranulin e identificou uma droga chamada bafilomycin (BafA1).

Em seguida, examinaram o mecanismo molecular subjacente ao impacto da BafA1 na progranulin mais de perto. Os fatores de crescimento, tais como progranulin são produzidos na membrana de células, mais especificamente as vesículas.

BafA1 tem um efeito alcalinizante sobre estas vesículas. Após a administração de BafA1 o interior das vesículas é menos ácido – e isso aumenta a produção de progranulin.

Esta constatação encorajou os pesquisadores a investigar mais substâncias alcalinizantes por sua capacidade de elevar os níveis de progranulin.

Entre as substâncias que passaram no teste foram três drogas que já estão no mercado para tratar várias doenças: um remédio para a angina de peito (bepridil), um para problemas do ritmo cardíaco (amiodarona) e cloroquina, droga amplamente utilizada malária.

A cloroquina aumentou o nível progranulin não apenas em experimentos com células de camundongo, mas também em células de pacientes com o gene defeituoso progranulin.

A equipe vai agora investigar se realmente a cloroquina ajuda os “progranulin dependentes” com demência frontotemporal.

O estudo foi publicado na edição online da revista Journal of Neuroscience. (ANI)

Fonte: sify news

Foto: MikeBlogs

Sou terapeuta ocupacional de formação, comunicadora por dom e experiência ao longo dos 10 anos frente ao reab.me; empresária que aposta na produção de produtos e conteúdos significativos e com propósito para ajudar as pessoas que precisam dos cuidado da reabilitação. Editora-chefe do Reab.me. Terapeuta Ocupacional (UFPE) com especialização em Tecnologia Assistiva (UNICAP). Mestre em Design (UFPE). Sou autora de 4 livros de exercícios para estimulação cognitiva que servem como material de apoio em contextos terapêuticos que visam a manutenção ou melhora de disfunções cognitivas. Sendo eles: - 50 exercícios para estimulação cognitiva: o cotidiano em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a culinária em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a família em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva de crianças com dificuldades de aprendizagem. No mais, sou Ana, esposa de Fábio, mãe de Olga e Inácio. Praticante de meditação e yoga.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.