Causas de agitação e da síndrome crepuscular nas pessoas com Alzheimer

4
13048

Não é incomun que pessoas com doença de Alzheimer tornem-se mais agitadas no final da tarde/início da noite. Eles podem começar a vagar pela casa, ficar com comportamento confuso e paranóia. Eventualmente, a pessoa pode gritar ou mesmo ser agressivo por causa de sua crescente frustração.

Este fenômeno tem sido chamado de “Síndrome do Crepúsculo” devido ao horário em que ocorre. Apesar do nome, os médicos agora começam a acreditar que esse comportamento tem pouco, ou nada, a ver com o horário que o “sol vai embora”.

Esse termo (Síndrome do Crepúsculo) tem sido usado desde os anos 60 e 70 e agora está um pouco ultrapassado“, diz Christopher Callahan, MD, professor da Faculdade de Medicina da Universidade de Indiana e diretor da Indiana University Center for Aging Research, em Indianápolis. “A idéia era que, quando o sol ia embora e ficava escuro lá fora, existiam menos  externos e os pacientes ficavam confusos.” Mas os médicos dizem agora que os sintomas associados à essa síndrome pode ocorrer em qualquer momento do dia ou da noite em pacientes de Alzheimer.

Ainda assim, 12 a 25% das pessoas com experiência de Alzheimer sofrem com esse fenômeno, e por isso, se você está cuidando de alguém com essa doença, é importante saber como lidar com os sintomas.

Causas de Agitação

Médicos agora acreditam que a agitação pode ocorrer em pacientes com Alzheimer por diversas  razões, muitas das quais se sobrepõem. Fatores subjacentes envolvidos no desenvolvimento de sintomas de agitação da Síndrome do Crepúsculo podem incluir:

Sentir-se cansado e sobrecarregado. “Seu cérebro é frequentemente vulnerável ​​após oito horas estando acordado. Se você está cansado e não consegue lidar com a estimulação do ambiente, você não vai conseguir processar essas informações externas, diz Malaz Boustani, um pesquisador do Instituto Regenstrief e do Indiana University Center for Aging Research.

Sofrer um desequilíbrio hormonal ou reagir a outras questões que perturbam “relógio biológico” de uma pessoa pode levar a sintomas da Síndrome Crepuscular. Uma causa comum de perturbação relógio biológico, por exemplo, é a falta de exposição à luz solar.

Mudar rotinas. Para quem está acostumado a ter atividades de dias inteiros, uma trégua em sua agenda da tarde ou à noite pode entediadar ou deixar o cliente inquieto.

Sofrendo os sintomas de depressão. Pessoas com Alzheimer podem se sentir deprimidos e como resultado podem ter problemas em seu funcionamento diário, aumentando o seu potencial para a agitação.

Alguns médicos acreditam que o cuidador ou o cuidar da pessoa com Alzheimer também pode ser uma razão para o comportamento agitado da pessoa. O Dr. Boustani recomenda olhar para os sintomas da Síndrome Crepuscular como “um alerta vermelho que o pessoal não é adequado ou qualificado o suficiente para satisfazer as necessidades dos pacientes de Alzheimer.”

Por exemplo, o cuidador pode ser inadvertidamente referir estresse ou fadiga para o cliente de Alzheimer, fazendo a pessoa ficar nervosa ou ansiosa. Ou uma casa de repouso pode regularmente ter um súbito aumento da estimulação no final do dia, por causa de ruído ou das interações sociais, que podem fazer a pessoa com Alzheimer ficar agitada. Mesmo luzes brilhantes mantidas em toda a noite pode levar a irritação em um paciente com Alzheimer.

Para aliviar os sintomas da Síndrome Crepuscular:  Forneça um dia estruturado e calmo!

A melhor maneira de evitar que as pessoas com doença de Alzheimer tornem-se agitadas é a introdução de alguma estrutura e paz em sua rotina diária. As seguintes dicas podem ajudar:

·Manter um horário regular. Acordar a pessoa no mesmo horário todos os dias e bem como fornecimento de refeições em horários regulares. Faça-o deitar para descansar sempre no mesmo horário.

 ·Limitar a cafeína. Esteja ciente do teor de cafeína em alimentos ou bebidas que o cliente consome e limite a ingestão tanto quanto possível, especialmente à tarde e à noite.

·Forneça atividade regular. É importante manter as pessoas com Alzheimer envolvidas ou interessadas ​​em atividades durante o dia, o que não só irá distraí-los da agitação e confusão, mas também desestimula o cochilo durante o dia, assim a pessoa será capaz de cair no sono na hora de dormir. Atividades que incorporam exercício são encorajadas, já que queimar energia adicional tornar mais fácil dormir à noite. Uma caminhada diária beneficia tanto o paciente quanto o cuidador.

·Vá diminuindo os estímulos durante o dia. Como ele fica agitado mais perto da hora de dormir  vá diminuindo gradualmente a quantidade de estimulação que a pessoa experimenta e isso ajudará a acalmar. Abaixe o som dos rádios, televisores e aparelhos de som e tente manter a casa o mais escura possível. Limitar os visitantes da noite e mover atividades familiares barulhentas para outra parte da casa longe da pessoa com Alzheimer.

 ·Procure ajuda médica. Se o cliente é incapaz de se tornar calmo o suficiente para conseguir dormir à noite, visite o seu médico – outras condições médicas podem tornar difícil o sono  do cliente e pode ser necessário recomendar tratamentos farmacológicos específicos.

Fonte: everydayhealth
Imagem: vince42
Sou terapeuta ocupacional de formação, comunicadora por dom e experiência ao longo dos 10 anos frente ao reab.me; empresária que aposta na produção de produtos e conteúdos significativos e com propósito para ajudar as pessoas que precisam dos cuidado da reabilitação. Editora-chefe do Reab.me. Terapeuta Ocupacional (UFPE) com especialização em Tecnologia Assistiva (UNICAP). Mestre em Design (UFPE). Sou autora de 4 livros de exercícios para estimulação cognitiva que servem como material de apoio em contextos terapêuticos que visam a manutenção ou melhora de disfunções cognitivas. Sendo eles: - 50 exercícios para estimulação cognitiva: o cotidiano em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a culinária em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a família em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva de crianças com dificuldades de aprendizagem. No mais, sou Ana, esposa de Fábio, mãe de Olga e Inácio. Praticante de meditação e yoga.

4 COMENTÁRIOS

  1. Gostaria de receber o manual, temos o pai com 89 anos de idade portador de Alzheimer há 10 anos, hoje se encontra na Casa de Repouso tentamos cuidar mas ficamos doente eu fiz uma cirurgia da coluna há 5 meses e depressão tenho acompanhamento da psiquiatra há 04 anos tomo remedio,minha irmã uma bursite de tanto trocar fraldas dar banho etc, a mãe 95 anos quebrou fêmur esta apres entanto também uma demência, hoje os dois estão junto na clinica.

Deixe uma resposta para Os sintomas da doença de Alzheimer | Reabilitação Cognitiva Cancelar resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.