Atividades para o cliente e a família #Parkinson

1
3050
Não é fácil para uma pessoa com doença de Parkinson se afastar das pessoas, principalmente daquelas que se sente mais próxima. A pessoa pode facilmente tornar-se envergonhada por sua falta de controle motor, que faz com que ela derrube de alimentos e objetos. Ou ela pode se cansar de dizer “sim, eu tenho o que você está dizendo“, enquanto sua rigidez facial não lhe permite expressar-se. Ela também pode tornar-se frustrada porque ela não pode mais fazer as coisas que fazia com o resto da família.
Sendo assim, é importante que os familiares de uma pessoa com doença de Parkinson rompa essas barreiras. Ajudá-lo a manter relações com as pessoas em sua vida pode ajudar a combater os sentimentos de depressão e isolamento, e também permitir que outros parentes aproveitem o tempo com um membro valorizado da família.

Aqui estão algumas idéias de atividades que os membros da família podem usar:

Passear

O exercício é uma parte importante do tratamento da doença de Parkinson, permitindo ao paciente manter a sua mobilidade. Andar a pé também dá a oportunidade de conviver com os vizinhos.

Nós encorajamos as atividades que envolvem caminhada“, diz Linda Pituch, gerente de serviços ao paciente da ParkinFamilies. Só deve-se ter cuidado para não exagerar, planejando as pausas ao longo do caminho.

Eles podem querer escolher as atividades que permitem uma grande flexibilidade para término ou pausas em caso de necessidade“, diz Pituch. “Se eles estão indo para uma caminhada, eles precisam ser capazes de parar e descansar, e não sentir que têm que estar em algum lugar por um certo tempo. Deixar a pessoa ir ao seu próprio ritmo é importante.”

Jogos de RPG

Os jogos podem ajudar a promover a interação familiar e manter a mente de um paciente com doença de Parkinson “afiada”. Os familiares podem entrar e ajudar a embaralhar e distribuir cartas, ou mover as peças do jogo em um jogo de tabuleiro. Eles também podem fazer o cliente se sentir mais à vontade, permitindo-lhe que não importa se as mãos tremem enquanto ela mantém suas cartas.

A era eletrônica tornou o jogo da família ainda mais agradável para as pessoas com doença de Parkinson. Por exemplo, com o advento do Nintendo Wii, controladores de jogos não requerem habilidades motoras para operar,  respondem às oscilações do braço e outros tipos de movimento.Esses movimentos podem proporcionar exercício!!  Wii emprega um jogo interativo que toda a família pode se envolver. “Ela incorpora as crianças íntimas da tecnologia com algo com os adultos podem fazer e tirar proveito.”

Outras atividades que podem ajudar

Voluntariado. Centros de idosos muitas vezes apresentam projetos de voluntariado desenvolvido para pessoas com mobilidade reduzida, tais como o enchimento almofadas. Ajudar os outros pode fazer bem ao cliente  que permanece socialmente ativo e a toda a família.

Cantar. Cantar com a família é divertido e traz benefícios para a saúde também. Ajuda as cordas vocais, o que contribui com a fala e a deglutição. Uma máquina de karaokê, ou instrumentos como violão, piano podem ser boas ideias para acompanhar.
Leitura. Os clientes com doença de Parkinson têm um tempo de leitura difícil, pois folhear as páginas ou segurar um livro, uma revista pode ser um desafio. A família pode ajudar nessa tarefa, ler para o cliente ou tornando esta uma atividade em grupo. A família inteira pode se reunir em torno de uma hora de leitura, ou um membro da família pode sentar e ler um artigo para o paciente. Outra opção são os livros em fita ou em um mp3 player.

Ir à igreja. Envolver-se espiritualmente pode ser muito gratificante para um cliente com Parkinson. Não só sair da casa e interagir com o mundo exterior, bem como com sua família podem ser bons motivos para as atividades de cunho espiritual. Além disso, ela também pode encontrar o alívio emocional de suas preocupações sobre a doença.

Seja criativo e lembre-se que o cliente está em um “mundo de novo” – ele e sua família!!!
Sou terapeuta ocupacional de formação, comunicadora por dom e experiência ao longo dos 10 anos frente ao reab.me; empresária que aposta na produção de produtos e conteúdos significativos e com propósito para ajudar as pessoas que precisam dos cuidado da reabilitação. Editora-chefe do Reab.me. Terapeuta Ocupacional (UFPE) com especialização em Tecnologia Assistiva (UNICAP). Mestre em Design (UFPE). Sou autora de 4 livros de exercícios para estimulação cognitiva que servem como material de apoio em contextos terapêuticos que visam a manutenção ou melhora de disfunções cognitivas. Sendo eles: - 50 exercícios para estimulação cognitiva: o cotidiano em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a culinária em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a família em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva de crianças com dificuldades de aprendizagem. No mais, sou Ana, esposa de Fábio, mãe de Olga e Inácio. Praticante de meditação e yoga.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.