A caféina pode ajudar na perda de memória do Alzheimer

0
2971

A cafeína é uma droga que muitas vezes é o “bode expiatório” dos pesquisadores. Embora tenha sido demonstrado que 400-500mg por dia (cerca de 5 xícaras de café) é perfeitamente seguro, de vez em quando, aparece um estudo que sugere que a cafeína pode ter efeitos negativos também. Um bom exemplo são as pesquisas do ano passado que afirmaram que a cafeína pode aumentar a alucinações.

Enquanto a maioria dos estudos sugere que a cafeína é segura, existem muito poucos que sugerem que ela pode realmente ser útil para a saúde (afinal de contas uma coisa é diferente da outra, não é?? Uma coisa é o uso ser indiferente à saúde, a outra é fazer bem a saúde!).

Um novo estudo, publicado no Journal of Alzheimer’s Disease, quebra essa tendência. Cientistas da University of South Florida constataram que “quando os ratos idosos criados para desenvolver sintomas da doença de Alzheimer (DA) receberam cafeína – o equivalente a cinco xícaras de café por dia – a sua perda de memória foi revertida.”

Uma vez que os camundongos criados para desenvolver DA começaram a mostrar problemas de memória, metade do grupo foi tratado com uma quantidade de cafeína em sua água. O estudo durou dois meses, e no final “os ratos tratados com cafeína se deram muito melhor nos testes que medem a sua memória e e suas habilidades cognitivas. Na verdade, suas memórias foram idênticos aos camundongos normais com idades sem demência.” Os camundongos que não tiveram o tratamento de cafeína continuaram a ter a deterioração da memória.

Estas são algumas das experiências de Alzheimer mais promissoras feitas com ratos mostrando que a cafeína reduz rapidamente a proteína beta-amilóide no sangue, um efeito que se reflete no cérebro, e essa redução está associada ao benefício cognitivo“, disse Huntington Potter, PhD. “Nosso objetivo é obter o financiamento necessário para traduzir as descobertas terapêuticas em ratos em bem concebido ensaios clínicos.”

A equipe também constatou que a cafeína ajuda a reduzir o número de  placas beta-amilóide  ou placas senis, no cérebro de ratos com DA em 50%. As placas de beta amilóide têm sido uma característica da DA, e  hoje sabe-se que têm um papel fundamental na diminuição da memória. Anteriormente, foi demonstrado que a cafeína também ajudou a reduzir os níveis de beta-amilóide encontrados no sangue de ratos e seres humanos.

A forma como a cafeína está produzindo o efeito ainda não está bem estabelecida, mas um punhado de estudos anteriores realizados pelo mesmo grupo, sugerem que o medicamento pode interromper a resposta inflamatória no cérebro que agrava a doença. Ela também diminui o nível de enzimas necessárias para produzir uma proteína beta-amilóide.

O autor Gary Arendash, PhD, disse que ensaios clínicos não controlados têm mostrado já alguns benefícios da cafeína como um tratamento para ajudar a reverter os efeitos do DA. No entanto, a fim de provar que é verdadeiramente a cafeína e não outros fatores, muito mais testes rigorosos precisam ser realizados. Como a parte fisiológica do estudo já revelou níveis reduzidos de beta-amilóide na corrente sangüínea dos seres humanos, o próximo passo é verificar se a cafeína pode causar a recuperação da memória com mesma eficácia em pessoas.

Um estudo realizado há alguns anos mostrou que “as pessoas com Alzheimer haviam consumido menos cafeína durante os últimos 20 anos do que pessoas sem a doença neurodegenerativa.”  Com esse estudo e as novas experiências é provável que muitos vão começar a “auto-medicação de cafeína”, assim como  foi com os anti-inflamatórios. As pessoas devem ter a certeza de seu consumo de cafeína permanece em níveis seguros (entre 400-500 mg por dia). Naturalmente, aquelas que estão grávidas ou sofrem de pressão alta deve sempre limitar a sua ingestão diária de cafeína.

Fonte: examiner.com

Foto: rayced (Flickr)

Sou terapeuta ocupacional de formação, comunicadora por dom e experiência ao longo dos 10 anos frente ao reab.me; empresária que aposta na produção de produtos e conteúdos significativos e com propósito para ajudar as pessoas que precisam dos cuidado da reabilitação. Editora-chefe do Reab.me. Terapeuta Ocupacional (UFPE) com especialização em Tecnologia Assistiva (UNICAP). Mestre em Design (UFPE). Sou autora de 4 livros de exercícios para estimulação cognitiva que servem como material de apoio em contextos terapêuticos que visam a manutenção ou melhora de disfunções cognitivas. Sendo eles: - 50 exercícios para estimulação cognitiva: o cotidiano em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a culinária em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a família em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva de crianças com dificuldades de aprendizagem. No mais, sou Ana, esposa de Fábio, mãe de Olga e Inácio. Praticante de meditação e yoga.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.