Treinando crianças com transtornos comportamentais para usar o penico e ir ao banheiro

0
3103

9566056_5dcb10c897_z

A experiência do treino do banheiro com uma criança com transtorno comportamental, dependerá muito do temperamento, dos padrões de comportamento da criança e das condições coexistentes. Nesta arena, mais que em qualquer outra, o conhecimento dos pontos fortes,  fraquezas, tendências e interesses da criança vai ajudar os pais ao longo do processo tanto quanto qualquer guia.

O controle esfincteriano pode ser particularmente difícil diante de condições comportamentais. Muitas crianças com estas condições não podem ser fortemente motivadas ou suficientemente equipadas, para responder aos reforços sociais que funcionam tão bem com outras crianças. Mas não fique achando que não há possibilidades de reforçar bons comportamentos, pequenas recompensas tangíveis, tais como doce ou um brinquedo podem ser eficazes.

Para a maioria das crianças com transtornos comportamentais, pode ser extremamente difícil se adaptar a qualquer mudança na rotina. Algumas são particularmente sensíveis ao toque e outros estímulos sensoriais e ficam chateadas com a a proximidade física com um adulto, o ato de retirar roupas e o ambiente desconhecido do banheiro. Nunca paramos para pensar nisso, mas o banheiro pode ser um dos ambientes da casa desconhecidos ou pouco explorados pela criança.

Crianças com distúrbios de comportamento podem também não alcançar as estratégias de reprodução de comportamento, como imitar os seus pais ou colegas, ou qualquer outra manifestação não-verbal que ajuda no treino do banheiro em vários outros casos. Tais complicações significam que os esforços iniciais podem criar um alto nível de frustração na criança e pode levar a manifestações de temperamento, teimosia e recusa a cooperar. Mas calma, não desanime! Ainda assim, quase todas as crianças com estas condições podem ser treinadas, embora em alguns casos o processo pode demorar um ano ou até mais.

O primeiro passo é determinar se a criança está pronta para começar a treinar. Observe-a até perceber que ela pode ficar seca por uma hora ou mais, tem movimentos intestinais regulares, está ciente de que ele está prestes a urinar ou defecar, e não gosta de ficar molhada ou suja. Também é importante ter o acompanhado do pediatra, pois ele pode e precisa estar em uma fase que não haja risco de constipação ou diarréia que podem interferir com o treinamento.

Depois de ter decidido começar, observar a criança e considerar cuidadosamente as características específicas, padrões de comportamento e os obstáculos que podem afetar o processo de aprendizagem. Se ela parece não gostar de entrar no banheiro, determine o que a causa o desconforto (o cheiro de desinfetante? o chão frio? o vaso sanitário?) é possível mudar ou neutralizar a causa? (mudar o produto de limpeza, colocar meias nos pés da criança, mover o penico para longe do vaso sanitário barulhento).

Se ela não sinaliza abertamente a necessidade de urinar ou defecar, ela para um pouco antes anulando ou se comportando de uma maneira que lhe fornece uma sugestão? Em que momentos ou quanto tempo depois de comer ou beber, ela costuma urinar ou defecar? Quais os alimentos, brinquedos ou outros objetos é que a criança é mais apaixonada? Estes podem ser usados ​​como recompensas tangíveis, o que pode ser mais eficaz do que elogios.

Como é que ela aprende melhor? manifestações físicas suaves, sendo colocados no penico em horários regulares? uma rotina formal, que contém uma série de passos simples e previsíveis verbalmente explicados, ilustrado com fotos, ou listados em um gráfico? comentários improvisados e conversas que informam sem resistência? Pense sobre isso!

Depois de ter feito os ajustes necessários no ambiente e na sua estratégia de ensino, é hora de começar a trabalhar em direção ao seu primeiro sucesso. Alguns pais gostam de começar o processo de formação com o uso de um penico, colocando a criança no penico em um momento provável e recompensá-la quando ela a usa. Outros, especialmente aqueles com uma criança que resiste a entrar no banheiro, podem querer se concentrar em etapas preliminares primeiro. Eles podem começar recompensando a criança por entrar no banheiro, em seguida, por se aproximar do penico ou vaso sanitário, em seguida, por sentar-se sobre ele e, finalmente, por utilizá-lo. Para tornar esse processo mais fácil, e para evitar a proximidade física que seu filho pode resistir, considere deixá-lo usar apenas sua roupa de baixo no início, ou mesmo nada abaixo da cintura. A manipulação das roupas pode ser ensinada no final do processo, uma vez que a rotina do banheiro foi aceita como parte do dia.

É provável que a criança seja resistente a adotar este novo hábito. É importante insistir, no entanto, com firmeza, mas com naturalidade para que ele tente.  Quando ocorrem acidentes, esclarecer que você desaprova,  mas não punir ou criticar.

Como ela gradualmente fica melhor em usar o banheiro, o penico vai começar a trabalhar em seu favor.  A criança vai esperar para visitar o banheiro em horários previsíveis e pode até ficar chateada se isso não acontecer.  Até então, você precisa lembrar-se como é difícil para a criança dar este importante passo. Você também deve pensar em como encontrar apoio para si mesmo, como você pode procurar a paciência que você precisa para ter sucesso. Tanto você como a criança estão embarcando em uma tarefa de desenvolvimento difícil, mas possível!

Outros posts que podem te interessar:

– Treinando criança com deficiência física para usar o banheiro
Treinando a criança com deficiência para usar o banheiro

fonte: healthy children.org imagem: Mr. TGT

Sou terapeuta ocupacional de formação, comunicadora por dom e experiência ao longo dos 10 anos frente ao reab.me; empresária que aposta na produção de produtos e conteúdos significativos e com propósito para ajudar as pessoas que precisam dos cuidado da reabilitação. Editora-chefe do Reab.me. Terapeuta Ocupacional (UFPE) com especialização em Tecnologia Assistiva (UNICAP). Mestre em Design (UFPE). Sou autora de 4 livros de exercícios para estimulação cognitiva que servem como material de apoio em contextos terapêuticos que visam a manutenção ou melhora de disfunções cognitivas. Sendo eles: - 50 exercícios para estimulação cognitiva: o cotidiano em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a culinária em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a família em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva de crianças com dificuldades de aprendizagem. No mais, sou Ana, esposa de Fábio, mãe de Olga e Inácio. Praticante de meditação e yoga.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.