Transtornos da alimentação em crianças com Autismo (Parte 1)

11
9321

Um dos problemas apresentados de forma generalizada em crianças com Transtornos do Espectro Autista (TEA) são os relacionados à alimentação. Este fato gera uma grande quantidade de consultas por parte das famílias pelas conotações evidentes de risco para a saúde e desenvolvimento da criança, porém, nem sempre se obtém as respostas corretas a estas questões.

Para abordar este sério transtorno relacionado à alimentação da criança com TEA foram realizadas na cidade de Valencia (Espanha) durante a II Jornadas Multidisciplinares de los TEA cursos e palestras especializadas no assunto. Mostraremos aqui algumas das conclusões mais importantes deste fantástico curso organizado pela Asociación ATTEM da cidade de Valencia.

O número de transtornos relacionados à alimentação com crianças com  TEA é elevado, muito elevado. Segundo as últimas pesquisas, podemos afirmar que este tipo de transtorno se apresenta em torno de 90% (Kodak & Piazza, 2008) dos meninos e meninas com TEA, desde casos mais graves à transtornos leves. Cerca de  70% dos casos são considerados como hiperseletivos (Twachtman-Reilly, Amaral & Zebrowsky, 2008).

Os quadros aos quais podemos enfrentar são diversos porém, com consequências similares: desde hiper a hipo-sensibilidade; hiper-seletividade, problemas de mastigação; baixo tônus muscular maxifacial; problemas sensoriais; problemas digestivos; estreitamento; diarréia; alterações produzidas pela medicação; ansiedade; intolerâncias e alergias; halitose; aerofagia… sem contar que muitos destes problemas podem aparecer de forma simultânea, ou uns podem ser consequência de outros. Infelizmente, encontramos quadros que afetam diretamente a saúde da criança que apresenta estes transtornos da alimentação, em muitos casos estes transtornos podem acarretar problemas muito sérios que incluam até a internação hospitalar da criança.

O desenvolvimento nas etapas da alimentação de uma criança pode ser esquematizado da seguinte maneira:

  • De 0 a 3 meses de idade: Suga de forma natural ao pegar o peito,  mamadeira ou chupeta. Estende a língua mais além dos lábios.
  • De 3 a 6 meses: Segura a mamadeira com as mãos. Fecha os lábios para selar a boca. Pode tomar semi-sólidos com uma colher. Move a língua dentro e fora sem problemas. Realiza movimentos verticais de mastigação.
  • De 6 a 9 meses: Retira a comida da colher com os lábios. Limpa o lábio inferior com os dentes. Bebe em um copo sem se engasgar. Mastiga alimentos.
  • De 9 a 12 meses: Mastiga alimentos sólidos. Leva alimentos à boca.Bebe de um copo com ajuda. Controla a baba.
  • De 12 a 18 meses: Come só de colher. Bebe no copo sem ajuda.
  • De 28 a 24 meses: Mastiga com movimentos rotatórios. Bebe no copo sem derramar o conteúdo. Come a comida só utilizando a colher derramando algo.
  • De 24 a 36 meses: Toca a comida com um garfo. Termina de descobrir os alimentos.
  • De 36 meses em diante: Utiliza os talheres adequadamente para comer. Ajuda nas tarefas de preparação da comida à mesa.

Esta classificação (apresentada pela especialista em nutrição infantil Lucía Villaba nos mostra as etapas mais comuns que a criança vai passando durante o processo da alimentação, é um cálculo aproximado, porém, nos mostra o que geralmente vai acontecendo com a maioria durante todo o processo, o que quer dizer, que se forem percebidas diferenças significativas, pode ser um sinal de alerta de que algo não está correndo dentro do esperado.

Quer ler a parte 2 deste artigo? Clica aqui!

Fonte: autismodiário
Tradução: Denise Eckless
magem: doug88888
Sou terapeuta ocupacional de formação, comunicadora por dom e experiência ao longo dos 10 anos frente ao reab.me; empresária que aposta na produção de produtos e conteúdos significativos e com propósito para ajudar as pessoas que precisam dos cuidado da reabilitação. Editora-chefe do Reab.me. Terapeuta Ocupacional (UFPE) com especialização em Tecnologia Assistiva (UNICAP). Mestre em Design (UFPE). Sou autora de 4 livros de exercícios para estimulação cognitiva que servem como material de apoio em contextos terapêuticos que visam a manutenção ou melhora de disfunções cognitivas. Sendo eles: - 50 exercícios para estimulação cognitiva: o cotidiano em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a culinária em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a família em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva de crianças com dificuldades de aprendizagem. No mais, sou Ana, esposa de Fábio, mãe de Olga e Inácio. Praticante de meditação e yoga.

11 COMENTÁRIOS

  1. meu filho tem 4 anos,espectro autista,tenho muita dificuldade com sua alimentação o que me deixa muita insegura nas situação como escola,sair e lugares e seletivo so come arroz,mamadeira,gelatina e bolchas só,ja falei com os médicos acham que sou eu ,mas faço de tudo resiste,sempre insiso da ânsia,empurra,nao sei o que faço,sempre ofereço em tudo o que vou comer….

  2. Meu irmão autista não mastiga a comida, ele tem 4 anos e não consegue se alimentar sozinho no maximo bebe mamadeira sozinho, como é o processo para lhe ensinar a mastigar e comer sozinho?

    • Oi Sthevan,
      o profissional que pode tirar essa sua dúvida e lhe ajudar é o fonoaudiólogo. Procure uma indicação de um profiossinal dessa área com o seu médico, ou com outros profissionais que já atendam seu filho.
      Abraço!

  3. tenho 2 filhos autista com 4 anos e 6 meses eles nao come comida de sal ate hoje,so quer saber de mamadeira estou muito preocupada o que devo fazer neste caso eles sao gemeos.

    • Olá Valdete,
      é importante que você procure um profissional especializado que vai atender as necessidades específicas de sua filha.
      Abraço e boa sorte!

  4. meu filho tem 4 anos e rejeita quase todo tipo de alimento, principalmente liquidos, sucos, caldo, so come iogurt, bolinhos, bolachas,pão. tento introduzir outros alimentos mas ele nao quer nem provar, sai correndo, limpa a boca. nao quer comida de panela. o q faço? ele e magrinho ja teve anemia. estou desesperada

  5. Tenho um filho de 3 anos autista leve e não verbal, sempre uso a estratégia de forçar a primeira colherada para que ele sinta o sabor. (Obrigo). Sempre da certo…depois passa a comer as outras colh7eradas sem problemas. Quando começa a insistir de não comer, deixo com fome e uso a mesma estratégia. Da certo sempre.
    O que não pode fazer é substituir o que não quer por algo que gosta…nunca.
    Ainda tenho muita dificuldade em fazer ele comer sozinho com talheres, beber em copo comum e não encher a boca demais.
    Estou na luta pelo meu garotinho.

  6. Meu filho tem 4 anos nunca gostou de martiga .Mas de um tempo pra cá tava começando bem a comer
    Agora só encher a boca de comida e fica horas sem engolir 😔 já briguei estou muito precupada 😐

  7. Tbm uso da sua estratégia, porém aqui tem intolerância alimentar e se ele não comer o pouco que pode aí lasca tudo.. não desisto enquanto não acaba a refeição proposta para o horário.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.