Ter um vocabulário rico protege o cérebro de comprometimento cognitivo

0
3690

3115082663_0248ac479d_z

No envelhecimento a reserva cognitiva do cérebro é posta à prova, e acredita-se que esta seja determinante para o desencadeamento do processo demencial. Pesquisadores da Universidade de Santiago de Compostela estudaram quais os fatores que podem ajudar a melhorar essa habilidade e concluíram que ter um maior nível de vocabulário é um desses fatores.

‘Reserva cognitiva’ é o nome dado a capacidade do cérebro para compensar a perda de suas funções. Esta reserva não pode ser medida diretamente; ao contrário, ela é calculada por meio de indicadores que acredita-se aumentar esta capacidade.

Um projeto de pesquisa da Universidade de Santiago de Compostela (USC) estudou como ter um grande vocabulário influencia a reserva cognitiva em idosos.

Como Cristina Lojo Seoane, do USC, co-autora do estudo publicado na revista Anales de Psicologia (Anais de Psicologia), explica: “Estamos focados em nível de vocabulário, pois é considerado um indicador de inteligência cristalizada (o uso de habilidades intelectuais previamente adquiridas). Nosso objetivo foi aprofundar nossa compreensão de sua relação com a reserva cognitiva “.

A equipe de pesquisa escolheu uma amostra de 326 indivíduos com idade superior a 50, sendo 222 indivíduos saudáveis ​​e 104 com comprometimento cognitivo leve. Eles mediram os níveis de vocabulário, juntamente com outros dados, tais como os seus anos de escolaridade, a complexidade de seus empregos e seus hábitos de leitura.

Eles também analisaram as notas que obtiveram em vários testes, como o subteste vocabulário da “Escala Wechsler de Inteligência ‘(WAIS) e do Teste de Vocabulário por Imagens de Peabody.

Os resultados revelaram uma maior prevalência de transtorno cognitivo leve em participantes que alcançaram uma pontuação menor no nível de vocabulário.

Isso nos levou à conclusão de que um maior nível de vocabulário, como uma medida de reserva cognitiva, pode proteger contra o declínio cognitivo” concluiram os pesquisadores.

Quer ler mais? Olha a fonte:

Cristina Lojo-Seoane, David Facal, Onésimo Juncos-Rabadán y Arturo X. Pereiro. “El nivel de vocabulario como indicador de reserva cognitiva en la evaluación del deterioro cognitivo ligero”, Anales de psicología 30 (3): 1115-1121, octubre de 2014.

imagem: Radek Szuban

 

cadernos

E, por fim, se você está procurando exercícios para estimulação cognitiva de adultos, tem a dica dos nossos cadernos de exercícios!!! Os cadernos Reab.me exploram temáticas do cotidiano e foram pensados no cliente final, o cliente com déficit. Usamos linguagem fácil e acessível para auto-aplicação ou para ser feito com ajuda com cuidador. Enviamos para todooooo Brasil e Portugal. Gostou da ideia? Clica aqui e vai conhecer

Sou terapeuta ocupacional de formação, comunicadora por dom e experiência ao longo dos 10 anos frente ao reab.me; empresária que aposta na produção de produtos e conteúdos significativos e com propósito para ajudar as pessoas que precisam dos cuidado da reabilitação. Editora-chefe do Reab.me. Terapeuta Ocupacional (UFPE) com especialização em Tecnologia Assistiva (UNICAP). Mestre em Design (UFPE). Sou autora de 4 livros de exercícios para estimulação cognitiva que servem como material de apoio em contextos terapêuticos que visam a manutenção ou melhora de disfunções cognitivas. Sendo eles: - 50 exercícios para estimulação cognitiva: o cotidiano em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a culinária em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a família em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva de crianças com dificuldades de aprendizagem. No mais, sou Ana, esposa de Fábio, mãe de Olga e Inácio. Praticante de meditação e yoga.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.