Relação do TDAH em idade precoce e a Depressão

1
3197
Um novo estudo conduzido pela Universidade de Chicago revelou que as crianças que são diagnosticadas com TDAH a partir da idade de 4 a 6 anos são mais propensas a sofrer de depressão e/ou tentativas de suicídio.
Benjamin B. Lahey, professora de epidemiologia na Universidade de Chicago, conduziu uma equipe que estudou 125 crianças que foram diagnosticadas com TDAH, entre 4 e 6, e 123 sem TDAH (TDAH-livre). Os participantes do estudo foram seguidos até que foram 18 anos de idade.

No final do estudo, os pesquisadores descobriram que 12% das crianças e dos adolescentes do grupo de TDAH admitiram ter um plano detalhado para cometer o suicídio, comparado com 1,6% das crianças com TDAH-livre. Além disso, eles descobriram que 18% dos participantes com TDAH haviam tentado suicídio pelo menos uma vez, contra 5,7% daqueles TDAH-livre.

As crianças com TDAH foram divididas em três categorias:

* Aquelas que sofreriam de falta de atenção;
* Aquelas que eram hiperativas;
* Aquelas que apresentavam uma combinação de ambos os comportamentos.

Quando categorizado de tal forma, a equipe descobriu que as dos últimos subtipos eram mais propensas às tentativas de suicídio, enquanto aquelas que sofreram de falta de atenção por si só tinham maior risco de desenvolver depressão.
Entre aquelas que foram diagnosticadas com TDAH na infância, as meninas tinham mais probabilidade de sofrer de depressão que os meninos. Além disso, crianças que tinham mães com depressão sofriam de depressão, em maior medida.
Além deste estudo, estudos prévios têm mostrado uma ligação definitiva entre o TDAH e a depressão. De acordo com a WebMD, 37% dos adultos que foram diagnosticados com TDAH são deprimidos – além disso, a pesquisa mostrou que, quando a depressão ocorre em conjunto com TDAH, que atinge mais cedo, dura mais e é mais grave.
Segundo o Dr. Michael Forrest, um psicólogo no noroeste do Arkansas, adultos com TDAH não são apenas deprimidos, eles também podem ter comportamentos que lembram a desordem bipolar e  o transtorno obsessivo compulsivo. Na verdade, ele afirma que em muitos casos, as três doenças se sobrepõem.
Embora a medicação seja definitivamente uma opção, existem certas estratégias que podem também ajudar a manter a depressão, que podem acompanhar o TDAH, afastada.
A seguir estão algumas sugestões de vários indivíduos que foram diagnosticados com TDAH e estão atualmente sob tratamento medicamentoso. Todos eles concordam que, independentemente de escolher ou não a medicação, essas estratégias são fundamentais para não só manter a produtividade, mas para permitir a paz de espírito.
* De acordo com Jordan B., quem tem TDAH precisa de “força” e de uma “linha” para fazer as coisas. Assim, ele sugere fazer uma lista passos, para que estes possam ser seguidos um de cada vez.

* Como qualquer pessoa com TDAH pode atestar, dificuldade em permanecer na tarefa é um problema monumental. Para lidar com sua tendência à deriva de um projeto para o próximo, “Mandy”, sugere dividir o dia em “seções”. Isto pode parecer simplista, mas de acordo com Mandy, essa tática realmente funciona. “Olhar  o dia passar na sua totalidade é simplesmente muito para mim. Eu tenho que dividi-lo pela manhã, tarde e noite ou por tempo de aula, horário de trabalho e tempo de estudo. Por causa de seu horário de estudo, o médico de Mandy tem ajustado a sua medicação para coincidir com a agenda de um estudante universitário. Ela ainda acrescenta que, embora ela adore a variedade de sua programação, o que é típico de alguém que foi diagnosticado com TDAH, essa variedade tem que ser programada, planejada e pensada.

* “Depois de ler o livro” Driven to Distraction ” [drs. Edward M. Hallowell e John J. Ratey], Rachel M. descobriu a razão pela qual se sente  tão estressada quando vai às compras, especialmente em lojas do tipo “tem tudo”, a variedade e a hiperestimulação é demais para pessoas com TDAH.
Certamente, tal stress experimentado pelas pessoas com TDAH pode levar à depressão, se não for tratado. O benefício desse estudo que liga depressão e TDAH em uma idade precoce é que os pais podem podem ficar cientes de que suas crianças são mais suscetíveis e estarem alertas. Eles podem também adotar medidas para minimizar a tristeza, ensinando-lhes estratégias adequadas de enfrentamento.

Fonte: clica aqui.

Foto: Pink Sherbet Photography (Flickr)

Sou terapeuta ocupacional de formação, comunicadora por dom e experiência ao longo dos 10 anos frente ao reab.me; empresária que aposta na produção de produtos e conteúdos significativos e com propósito para ajudar as pessoas que precisam dos cuidado da reabilitação. Editora-chefe do Reab.me. Terapeuta Ocupacional (UFPE) com especialização em Tecnologia Assistiva (UNICAP). Mestre em Design (UFPE). Sou autora de 4 livros de exercícios para estimulação cognitiva que servem como material de apoio em contextos terapêuticos que visam a manutenção ou melhora de disfunções cognitivas. Sendo eles: - 50 exercícios para estimulação cognitiva: o cotidiano em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a culinária em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a família em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva de crianças com dificuldades de aprendizagem. No mais, sou Ana, esposa de Fábio, mãe de Olga e Inácio. Praticante de meditação e yoga.

1 COMENTÁRIO

  1. Ótimo post, é muito importante identificar os problemas associados aos distúrbios e mais importante ainda é apresentar algumas soluções, isso gera um alívio imediato para quem está lendo. Amei as sugestões, irei colocá-las em prática.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.