Primeiro estudo que mostra que a apnéia do sono leva a disfunção cognitiva

0
2664

Mulheres idosas que sofrem de apnéia do sono – caracterizada pela respiração e sono interrompido e uma redução no consumo de oxigênio – têm duas vezes mais probabilidade de desenvolver demência nos próximos cinco anos do que aqueles sem essa condição, de acordo com um estudo multicêntrico conduziu por pesquisadores da University of California, San Francisco.

A descoberta foi  publicada na edição de quarta-feira do Journal of the American Medical Association e mostrou pela primeira vez o que os especialistas já suspeitavam sobre o sono, mas não tinha provado: que a apnéia do sono pode privar o cérebro e outros órgãos do oxigênio de que necessitam, e podem, com o declínio do tempo, levar a sofrimento da capacidade cognitiva.

Este é o primeiro estudo a mostrar que a apnéia do sono pode levar a déficit cognitivo“, disse o líder do estudo Kristine Yaffe, MD, professor de psiquiatria, neurologia e epidemiologia da UCSF e chefe de psiquiatria geriátrica na SFVAMC. “Isso sugere que há uma ligação biológica entre o sono e cognição e sugere também que o tratamento da apnéia do sono pode ajudar a prevenir ou retardar o aparecimento de demência em adultos mais velhos.”

“Nosso estudo sugere que pode, pelo menos, a apnéia ser um fator contribuinte”, disse Yaffe. O autor sênior do estudo é Katie Stone, Ph.D., do Pacífico da Califórnia Medical Center Research Institute.

Em pessoas com apnéia do sono, as vias aéreas dos pulmões entram em colapso enquanto o indivíduo dorme, interferindo com a capacidade de inalar. Pessoas com apnéia do sono geralmente ronca, às vezes em voz alta, e são despertados muitas vezes por noite.

Enquanto pesquisas anteriores encontraram uma associação entre a apnéia do sono e demência, esses estudos não foram estruturados para acompanhar o impacto da apnéia do sono em pessoas que tinham habilidades cognitivas normais no início. A força das novas descobertas vem do fato de que os 298 pacientes iniciaram o estudo sem demência ou mensuráveis ​​prejuízos cognitivos, permitindo aos pesquisadores medir a relação entre a apnéia do sono e acuidade mental.

Essas mulheres, provenientes de um estudo maior, em curso examinando osteoporose em mais de 10.000 mulheres com mais de 65 anos, foram pela primeira vez examinados em clínicas em Pittsburgh e Minneapolis e por testes que avaliaram sua capacidade mental e cognitiva. Aquelas que foram encontradas que pareciam estar sofrendo de demência ou comprometimento cognitivo leve na avaliação inicial não foram incluídas no estudo.

Fonte: health.universityofcalifornia.edu

Sou terapeuta ocupacional de formação, comunicadora por dom e experiência ao longo dos 10 anos frente ao reab.me; empresária que aposta na produção de produtos e conteúdos significativos e com propósito para ajudar as pessoas que precisam dos cuidado da reabilitação. Editora-chefe do Reab.me. Terapeuta Ocupacional (UFPE) com especialização em Tecnologia Assistiva (UNICAP). Mestre em Design (UFPE). Sou autora de 4 livros de exercícios para estimulação cognitiva que servem como material de apoio em contextos terapêuticos que visam a manutenção ou melhora de disfunções cognitivas. Sendo eles: - 50 exercícios para estimulação cognitiva: o cotidiano em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a culinária em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a família em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva de crianças com dificuldades de aprendizagem. No mais, sou Ana, esposa de Fábio, mãe de Olga e Inácio. Praticante de meditação e yoga.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.