Os benefícios da terapia animal para clientes com demências

0
3943

Converse com os profissionais e pesquisadores de terapia assistida por animais e você vai ouvir histórias sobre cães de terapia e pacientes com demência que trazem lágrimas aos seus olhos.

Você pode ouvir sobre Diva, um pastor alemão, que procurou um homem idoso, não-comunicativo, sentado sozinho e que foi e abraçá-la. Depois, a história de um  cão retriever dourado em uma unidade de cuidados para Alzheimer que encontrou seu paciente favorito agitado em um corredor e, gentilmente, tomou-o pela manga para levá-lo de volta para seu quarto. Ou, você vai ouvir falar de Leonardo, um gato que se enrosca na cama ao lado de um paciente em de estágio final da doença de Alzheimer em uma unidade de cuidados paliativos.

Mas, por trás de cada visita a terapia  assistida por animais bem sucedida, também há um monte de planejamento, treinamento e trabalho a serem feitos para que a terapia animal é considerada seguro para pessoas que vivem em ambientes de idosos.

“Mesmo as pessoas com Alzheimer reconhecem um cachorro e eles veem que o cão é uma nova pessoa em seu ambiente. Eu acho que eles veem como alguém com quem possam interagir sem qualquer preocupação”, explica Mara M. Baun, DNSc, coordenador do programa de doutorado em enfermagem da Universidade do Texas.

Baun foi pesquisar os benefícios da terapia com animais há mais de uma década. Em um de seus estudos, ele e sua equipe compararam os graus de interação social dos adultos em uma unidade de Alzheimer com e sem a presença de um cão.

“Quando tinha o animal de estimação com eles, eles apresentaram comportamentos mais interativos, embora algumas deles tinham como objetivo o cão, e não a outra pessoa”, diz Baun. Seu trabalho tem mostrado que este efeito é consistente se os pacientes de demência e o cão  interagem sozinhos ou em grupo.

Além de estimular uma resposta social, pacientes com demência podem se beneficiar da presença de animais terapia por causa de:

Agitação reduzida. Comportamentos de agitação, comum entre pacientes com demência, são reduzidos na presença de um cão.

Atividade física. Dependendo da mobilidade do paciente, eles podem ser capazes de brincar com o animal, atirar uma bola ou até mesmo ir para uma caminhada curta.

Comer melhor. Pacientes com demencia têm mostrado comer mais após a visita de um cão.

Prazer. Alguns pacientes simplesmente desfrutam da presença do cão e seu companheiro humano, bem como os truques que os cães de terapia podem fazer.

Se a idéia da terapia animal é atraente, vale a pena saber que há um monte de trabalho que é necessário para ter o animal certo e a equipe que propicie a interação de forma correta. A seguir estão algumas das questões envolvidas nesse processo:

Temperamento. A personalidade de um animal vai ditar se eleas podem ser um animal de terapia. Você precisa de um animal que não  se assusta facilmente e fica confortável interagindo com estranhos. Os cães são os mais fáceis de treinar para estes tipos de situações, diz Cheri Weston Swenson, uma tratadora de animais de terapia e um avaliador para a Delta Society Pet Partners.

Habilidades individuais. Cada animal tem sua própria habilidade. Swenson diz que seu gato, Leonardo, é melhor quando ele está interagindo com apenas uma pessoa, mas o cachorro dela, Victor, é bom em situações de grupo. Alguns animais são mais adequados para as crianças que pacientes com demência.

Treinamento. Swenson treina seus cães para ficarem confortáveis com equipamentos hospitalares, tubos, cadeiras de rodas, e as situações que possam encontrar em uma unidade de clientes com Alzheimer. Animais  adequados para o tratamento devem também ser capazes de sentar, fazer truques no comando e apresentar-se bem (como colocar a sua cabeça suavemente sobre um joelho).

Registro ou certificação. “Quase nunca se pergunta sobre nossas qualificações para ter animais e  isso me incomoda”, afirma Swenson.”Queremos manter um alto padrão para animais de terapia e seus manipuladores.” Ela recomenda procurar animais terapia e companheiros humanos que são registrados como os órgãos responsáveis, como a Sociedade Delta ou Therapy Pet International.

Limpeza. Swenson dá banho em seus animais pelo menos uma vez por mês e gasta cerca de 30 minutos preparando-os antes de uma visita, o que inclui a limpeza de suas orelhas e boca, recorte as unhas, lavar os seus pés, e escovando-los bem.

Controle de infecção. Agentes infecciosos, tais como MRSA, C. difficile, E. coli, Salmonella são são uma preocupação em ambientes de cuidados a idosos, afetando tanto os pacientes de demência e as equipes de terapia. Além de limpar adequadamente os animais terapia antes e depois de uma visita, as medidas de controle de infecção incluem:

– Limpeza das mãos de todos que irão tocar no animal antes e após o contato.
– Evitar o contato com a boca do animal.
– Utilizar folhas e barreiras, tais como toalhas enroladas, para manter alguma distância entre os animais e roupas de cama dos pacientes de demência ou mobiliário. Lençóis e toalhas usados na terapia devem ser trocados ​​em cada uso.

Dar guloseimas. Swenson diz que a alimentação é um comportamento de ligação universal, e muitas das pessoas que visitam seus animais querem dar guloseimas. Ela carrega pequenas guloseimas que eles podem colocar para o animal (mas então, os cães de terapia são obrigados a fazer algum tipo de truque em troca).

Flexibilidade. Com pacientes com demência as visitas podem ser imprevisíveis, diz Swenson. Ela viu seu cachorro surpreso ao descobrir que um paciente que ele conhece bem pode, na ocasião, querer se afastar. Humanos e animal têm de ser capazes de se adaptar às situações de mudança.

Baun acrescenta que o animal deve ter tempo livre – como qualquer outro trabalhador – bem como, um lugar próprio para descansar e um claro entendimento sobre quem é responsável pelo seu bem- estar. As melhores situações ocorrem quando um membro da equipe traz um animal adequado com ele durante o dia e depois vão juntos para casa à noite.

Devidamente treinados e preparados os animais da terapia pode ser uma bênção real para pacientes com demência em ambientes de cuidados.

Fonte: everydayhealth

Imagem: armymedicine

Lembrei muito, enquanto fazia esse post, da época que participei da Equoterapia, terapia que usa o cavalo. Lá vivi bons e inesquecíveis momentos, e confesso: minha paixão por animais aumentou nesses tempos… 

🙂

Sou terapeuta ocupacional de formação, comunicadora por dom e experiência ao longo dos 10 anos frente ao reab.me; empresária que aposta na produção de produtos e conteúdos significativos e com propósito para ajudar as pessoas que precisam dos cuidado da reabilitação. Editora-chefe do Reab.me. Terapeuta Ocupacional (UFPE) com especialização em Tecnologia Assistiva (UNICAP). Mestre em Design (UFPE). Sou autora de 4 livros de exercícios para estimulação cognitiva que servem como material de apoio em contextos terapêuticos que visam a manutenção ou melhora de disfunções cognitivas. Sendo eles: - 50 exercícios para estimulação cognitiva: o cotidiano em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a culinária em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a família em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva de crianças com dificuldades de aprendizagem. No mais, sou Ana, esposa de Fábio, mãe de Olga e Inácio. Praticante de meditação e yoga.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.