O Reino Unido discute o suicídio assistido para pessoas com deficiência

0
2970

O Reino Unido deve legalizar o suicídio assistido, segundo um assessor do governo de liderança sobre a demência e os cuidados aos idosos. Martin Green, chefe-executivo da Comunidade Inglesa Care Association, que representa os grupos de casas de repouso e cuidados, disse que não fazia sentido excluir o suicídio assistido do “mantra de escolha e controle”, que inspira os cuidados de saúde britânicos.

“Se você vai dar “a escolha às pessoas”, deve-se entender se elas querem ou não morrer”, disse ele. “Se as pessoas têm a capacidade de fazer uma escolha, então é minha opinião que eles devem ser autorizados a fazer a escolha informada, caso contrário, a política é inconsistente”.

Leis contra a discriminação da deficiência exigem que as pessoas que são fisicamente incapazes de “exercer as atividades dos cidadãos normais” têm direito a apoio. Isto também deve incluir o apoio a morrer.”Em termos de pessoas que têm a função cognitiva, parece-me ser totalmente coerente dizer que, se você vai dar às pessoas a escolha e o controle e a autonomia, isso deve estender-se a morte”.

Sr. Green suporta um referendo ou de uma votação livre no Parlamento sobre o suicídio assistido.No entanto, ele previu problemas. Ele disse ao jornal Telegraph que as pessoas podem mudar suas mentes e pacientes com demência podem sofrer maiores alterações à sua personalidade.

Este é um grande obstáculo, dizem os opositores. O escopo de caridade à deficiência alertou que “uma maioria substancial” das pessoas com deficiência tem medo de que legalizar o suicídio assistido porque isso poderia aumentar a pressão sobre eles para acabar com suas vidas. E Dr. Peter Saunders, disse que o Parlamento já tinha rejeitado repetidas vezes, por medo das pessoas vulneráveis ​​que se vêem como um encargo financeiro ou emocional para suas famílias. “Em uma sociedade livre, democrática, sabemos que há limites para a escolha pessoal”, disse ele. “Mesmo com as chamadas salvaguardas, permitir às pessoas optar por ajuda a se matarem deixaria um campo aberto à exploração e ao abuso.

Fonte: bioedge

Foto: tuquetu

Sou terapeuta ocupacional de formação, comunicadora por dom e experiência ao longo dos 10 anos frente ao reab.me; empresária que aposta na produção de produtos e conteúdos significativos e com propósito para ajudar as pessoas que precisam dos cuidado da reabilitação. Editora-chefe do Reab.me. Terapeuta Ocupacional (UFPE) com especialização em Tecnologia Assistiva (UNICAP). Mestre em Design (UFPE). Sou autora de 4 livros de exercícios para estimulação cognitiva que servem como material de apoio em contextos terapêuticos que visam a manutenção ou melhora de disfunções cognitivas. Sendo eles: - 50 exercícios para estimulação cognitiva: o cotidiano em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a culinária em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a família em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva de crianças com dificuldades de aprendizagem. No mais, sou Ana, esposa de Fábio, mãe de Olga e Inácio. Praticante de meditação e yoga.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.