O manganês pode levar ao desenvolvimento do Parkinson

0
3411
As pessoas que vivem perto de uma fábrica de aço ou outra fonte de emissões de manganês estão em maior risco de desenvolver a doença de Parkinson, sugere um novo estudo. Além do manganês, os pesticidas de fazendas também têm sido suspeitos de levantar as chances de desenvolver Parkinson.
Apesar de terem pesquisas que considerem e estudem fatores da vida rural, muito pouco ainda se sabe sobre as influências da vida urbana. Sobre isso o Dr. Brad A. Racette da Universidade Washington School of Medicine, em St. Louis, Missouri, disse: “Fatores de risco ambientais para a doença de Parkinson têm sido relativamente pouco estudados, especialmente em áreas urbanas, onde a esmagadora maioria dos pacientes com doença de Parkinson reside”.

Pesquisas anteriores haviam ligado a metais pesados danos cerebrais, como o Parkinson, mas não estava claro se eles poderiam também desempenhar um papel em pessoas que não estão expostos aos metais, como parte de seu trabalho.

Então Racette e seus colegas analisaram dados de cerca de cinco milhões de beneficiários do Medicare. Em seguida, eles compararam as taxas de incidência de Parkinson a emissões industriais de cobre, chumbo e manganês, obtidos a partir da Agência de Proteção Ambiental Americana.

Em 2003, menos de um por cento das pessoas em áreas urbanas desenvolveram a doença de Parkinson. Em municípios com pouca ou nenhuma liberação dos metais, 274 de cada 100.000 pessoas tiveram a doença, em comparação a 489 em municípios com níveis elevados de manganês.

O risco aumentado permaneceu mesmo depois de considerar as diferenças de sexo, idade e raça, relatam os investigadores na revista American Journal of Epidemiology.

As áreas com emissões de cobre de alta também revelaram mais casos de Parkinson, mas o aumento foi tão pequeno que pode ter sido acaso.

Os pesquisadores dizem que não sabem se realmente o manganês leva as pessoas a desenvolverem a doença de Parkinson. “Embora os resultados relacionados ao manganês sejam muito convincentes, futuros estudos investigando a exposição individual do paciente e o risco para a doença de Parkinson serão necessários para confirmar nosso estudo”, disse Racette.

“Compreender as exposições a nível comunitário a toxinas ambientais será fundamental para determinar as causas da maioria dos casos da doença de Parkinson”, acrescentou. “Se nossos resultados forem confirmados, nossos dados sugerem que a redução das emissões de metais industriais pode resultar em uma redução substancial no número de novos casos.”

Fonte: FoxNews.com

Foto: Señor Codo

Sou terapeuta ocupacional de formação, comunicadora por dom e experiência ao longo dos 10 anos frente ao reab.me; empresária que aposta na produção de produtos e conteúdos significativos e com propósito para ajudar as pessoas que precisam dos cuidado da reabilitação. Editora-chefe do Reab.me. Terapeuta Ocupacional (UFPE) com especialização em Tecnologia Assistiva (UNICAP). Mestre em Design (UFPE). Sou autora de 4 livros de exercícios para estimulação cognitiva que servem como material de apoio em contextos terapêuticos que visam a manutenção ou melhora de disfunções cognitivas. Sendo eles: - 50 exercícios para estimulação cognitiva: o cotidiano em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a culinária em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a família em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva de crianças com dificuldades de aprendizagem. No mais, sou Ana, esposa de Fábio, mãe de Olga e Inácio. Praticante de meditação e yoga.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.