O coronavírus encerrou a polêmica sobre o uso de telas no cotidiano?

0
301

A preocupação com o tempo de tela e as repercussões desse uso nas relações pessoais, desempenho das ocupações (lazer, trabalho) e desenvolvimento infantil se acalmaram, precisaram ser ressignificadas. As algemas da culpa do uso caíram. As pessoas agora precisam das telas e têm procurado se adaptar, se “submeter” sem questionamento e com gentileza para cada situação.

Diante do isolamento social a tela é forma de estar em contato com as pessoas, serviços e informações. A tela é a nova forma “de sair de casa” para trabalhar, fazer compras, visitar o avô e até ir à escola. Em muitas situações é a única forma de desempenhar as tarefas do cotidiano, as ocupações. E ninguém vai tender a negar ou questionar o único.

O contexto virtual já fazia parte da vida quando não precisávamos ou não queríamos o contato físico, e agora tornou-se fundamental pela necessidade de isolamento. Entramos na época de focar o que há de positivo no contexto virtual porque precisamos dele.

Na saúde e reabilitação estamos vivendo “o parto à fórceps da telessaúde”, construindo o caminho para fazer funcionar a continuidade da assistência. E, aparentemente, os desafios da implementação são mais de ordem pessoal que ferramental. Compreender como atingir os objetivos para esse momento do paciente e família parece ser mais desafiador que aprender quais plataformas usar e recursos possíveis. Os profissionais que se propuseram a encarar a telessaúde testemunham que é trabalhoso, mas pode ser absurdamente importante diante da Pandemia, e com certeza é possível e eficaz.

Fora dos contextos de atendimento, as telas têm ajudado a desempenhar ocupações de casa, como meio de buscar informações para aprender novas e essenciais habilidades para atividades cotidianas, como cozinhar.

Pais estão buscando usar as telas com propósito de torná-las aliadas e com significado; os pais têm aprendido que pode existir conteúdo que agregue. Buscam em redes sociais lives de dança infantil, contação de histórias e outros conteúdos que permitam usar a tela a favor da ocupações, em especial às relacionadas ao homeoffice. Claro que usam desenho animados, mas começam a avaliar o tempo e conteúdo com mais senso crítico. E é esse aprendizado que agora é feito sem preconceito que vai permitir encontrar medidas.

No relativo à educação, ativistas da área antes totalmente contra telas, têm precisado rever se a “experiência presencial é realmente insubstituível”. E, alguns que decidiram buscar o equilíbrio estão encantados com o que uma criança pode produzir em uma tela.

O ponto central dessa questão do aprender a usar as telas talvez esteja na compreensão que quando falamos do analógico e do digital não estamos falando de mundos distintos, mas de um mesmo mundo com duas possibilidades de vivências. E, cabe a nós o equilíbrio entre elas.

O tempo, os conteúdos e quais ferramentas usar nas telas é o que estamos todos descobrindo juntos. É como ser o cientista maluco que precisa aprender a lidar com seu Frankenstein.

Sou terapeuta ocupacional de formação, comunicadora por dom e experiência ao longo dos 10 anos frente ao reab.me; empresária que aposta na produção de produtos e conteúdos significativos e com propósito para ajudar as pessoas que precisam dos cuidado da reabilitação. Editora-chefe do Reab.me. Terapeuta Ocupacional (UFPE) com especialização em Tecnologia Assistiva (UNICAP). Mestre em Design (UFPE). Sou autora de 4 livros de exercícios para estimulação cognitiva que servem como material de apoio em contextos terapêuticos que visam a manutenção ou melhora de disfunções cognitivas. Sendo eles: - 50 exercícios para estimulação cognitiva: o cotidiano em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a culinária em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a família em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva de crianças com dificuldades de aprendizagem. No mais, sou Ana, esposa de Fábio, mãe de Olga e Inácio. Praticante de meditação e yoga.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.