Exame de sangue no diagnóstico da Doença de Alzheimer

0
2813

Um conjunto de proteínas encontradas no sangue é a nova promessa de diagnóstico para diagnosticar a doença de Alzheimer (DA), os pesquisadores da UT Southwestern Medical Center chegaram a esta conclusão depois de parte de um estudo de âmbito estadual.

Uma análise das proteínas, além de um exame clínico, mostrou 94% de precisão na detecção de casos suspeitos de Alzheimer e 84% na detecção de pessoas sem a doença, disseram os pesquisadores.

“Esta pesquisa utiliza uma nova tecnologia que torna possível analisar vários biomarcadores em uma única amostra de sangue, disse o Dr. Ramón Díaz-Arrastia, professor de  Neurologia e autor sênior do estudo, que foi publicado na edição de setembro da revista Archives of Neurology.

Os investigadores têm procurado um simples teste sanguíneo para Alzheimer por muitos anos, disse o Dr. Díaz-Arrastia, mas nenhuma substância simples ou “marcador biológico” foi mostrado útil até agora.

A DA é uma doença cerebral degenerativa incurável, que atualmente atinge cerca de 5,3 milhões de pessoas com mais de 65 nos EUA, de acordo com a Associação Nacional de Alzheimer. Em 2050 esse número deve chegar a 11 milhões ou mais.

A doença é de difícil diagnóstico, especialmente em seus estágios iniciais, quando se assemelha a outros problemas cognitivos. Atualmente, o diagnóstico definitivo só é possível após o exame do tecido cerebral de indivíduos mortos. Os testes de suspeita de Alzheimer geralmente são caros ou invasivos, e nem todo paciente é capaz ou está disposto a submeter-se, afirmaram os pesquisadores.

Um exame de sangue seria um método prático de diagnóstico realizado por profissionais de saúde em qualquer lugar do mundo. Além disso, o diagnóstico definitivo é importante porque os tratamentos visando especificamente a doença de Alzheimer podem não ser eficazes em outras formas de doenças neurodegenerativas ou o declínio cognitivo, disse o Dr. Díaz-Arrastia.

Pesquisadores associados com a pesquisa do Alzheimer Texas Consortium, um grupo de cinco universidades, realizaram a pesquisa. No estudo atual, os cientistas analisaram amostras de sangue de 197 pacientes do Texas que tinha suspeita de Alzheimer e 203 pessoas sem a doença.

Os pesquisadores mediram mais de 100 proteínas do sangue e criaram uma análise matemática que poderia avaliar o risco de uma pessoa de ter Alzheimer.

Nem o exame de sangue ou o exame clínico, quando aplicados sozinhos, foram tão precisos como o exame de sangue e o exame clínico combinado, segundo os pesquisadores.

“Ter um diagnóstico é um passo importante, mas não é o fim da estrada, a menos que nós achemos um tratamento ou uma cura,” disse o Dr. Díaz-Arrastia.

A próxima etapa do trabalho é determinar se o teste pode detectar com precisão o biomarcador de Alzheimer no soro sangüíneo de pacientes que foram diagnosticados definitivamente por uma autópsia.

Outros investigadores que participam no estudo eram Dr. Guanghua Xiao, professor adjunto de ciências clínicas; Dr. Joan Reisch, professor de ciências clínicas e medicina familiar e comunitária, e Dr. Perrie Adams, professor de psiquiatria.

Participaram também pesquisadores da Texas Tech University Health Sciences Center, University of North Texas Health Science Center, Baylor College of Medicine, e a Clínica Marshfield Research Foundation.

O estudo também foi financiado pelo National Institutes of Health.

Fonte: clica aqui.

Foto: Kaptain Kobold (Flickr)

Sou terapeuta ocupacional de formação, comunicadora por dom e experiência ao longo dos 10 anos frente ao reab.me; empresária que aposta na produção de produtos e conteúdos significativos e com propósito para ajudar as pessoas que precisam dos cuidado da reabilitação. Editora-chefe do Reab.me. Terapeuta Ocupacional (UFPE) com especialização em Tecnologia Assistiva (UNICAP). Mestre em Design (UFPE). Sou autora de 4 livros de exercícios para estimulação cognitiva que servem como material de apoio em contextos terapêuticos que visam a manutenção ou melhora de disfunções cognitivas. Sendo eles: - 50 exercícios para estimulação cognitiva: o cotidiano em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a culinária em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a família em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva de crianças com dificuldades de aprendizagem. No mais, sou Ana, esposa de Fábio, mãe de Olga e Inácio. Praticante de meditação e yoga.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.