Estudo evidencia a Musicoterapia como recurso fundamental para crianças e adolescentes com Depressão

2
5686

103909417_1f60205723_z

Pesquisadores da Queen University Belfast descobriram que a musicoterapia reduz a depressão em crianças e adolescentes com problemas comportamentais e emocionais.

No maior estudo feito até então, os pesquisadores, em parceria com a Northern Ireland Music Therapy Trust, descobriram que as crianças tiveram a musicoterapia inclusa em seus tratamentos tinham melhorado significativamente da depressão e alcançaram índices melhores na auto-estima, em comparação com aquelas crianças que receberam o tratamento convencional sem musicoterapia.

O estudo, que foi financiado pelo Big Lottery Fund, também descobriu que aqueles que receberam a musicoterapia tinha melhorado habilidades comunicativas e interativas.

251 crianças e jovens foram envolvidos no estudo, que decorreu entre Março de 2011 e Maio de 2014, e foram divididos em dois grupos – 128 com os tratamentos  habituais, enquanto 123 foram designados para a musicoterapia, além dos cuidados habituais. Todos estavam em tratamento para problemas emocionais, de desenvolvimento ou de comportamento. Resultados iniciais sugerem que os benefícios são sustentados a longo prazo.

Professor Sam Porter, da Escola de Enfermagem e Obstetrícia da Universidade de Queen, que liderou o estudo, disse: “Este estudo é muito significativo em termos de determinação de tratamentos eficazes para as crianças e jovens com problemas de comportamento e com necessidades de saúde mental.”

Ciara Reilly, presidente-executivo da Northern Ireland Music Therapy Trust, disse: “A musicoterapia tem sido frequentemente utilizada com as crianças e jovens com necessidades específicas de saúde mental, mas esta é a primeira vez que a sua eficácia foi demonstrada por um estudo randomizado controlado em um ambiente clínico. Os resultados são dramáticos e ressaltam a necessidade da musicoterapia ser disponibilizada como uma opção de tratamento convencional. Durante muito tempo, temos contado com os resultados em pequena escala da investigação sobre o quão bem a musicoterapia funciona. Agora temos evidências clínicas robustas para mostrar seus efeitos benéficos.

Segundo o Newsletter.co.uk os resultados da pesquisa serão apresentados hoje no Riddel Hall na Queen’s University Belfast. =)

Fonte: Medical News Today

Queen’s University, Belfast. (2014, October 23). “Music therapy reduces depression in children and adolescents.” Medical News Today. Retrieved from
http://www.medicalnewstoday.com/releases/284296.php.

Imagem: midman

Outros posts que podem te interessar: 

– Musicoterapia: definição, benefícios, indicações e links úteis

– Avaliação de Musicoterapia para pessoas com demência de Alzheimer: documento da Universidade de Salamanca

– Musicoterapia ajuda crianças com Autismo

– Dancing Hands Taps: recurso de música usado também com crianças

 

cadernos

 

Sou terapeuta ocupacional de formação, comunicadora por dom e experiência ao longo dos 10 anos frente ao reab.me; empresária que aposta na produção de produtos e conteúdos significativos e com propósito para ajudar as pessoas que precisam dos cuidado da reabilitação. Editora-chefe do Reab.me. Terapeuta Ocupacional (UFPE) com especialização em Tecnologia Assistiva (UNICAP). Mestre em Design (UFPE). Sou autora de 4 livros de exercícios para estimulação cognitiva que servem como material de apoio em contextos terapêuticos que visam a manutenção ou melhora de disfunções cognitivas. Sendo eles: - 50 exercícios para estimulação cognitiva: o cotidiano em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a culinária em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a família em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva de crianças com dificuldades de aprendizagem. No mais, sou Ana, esposa de Fábio, mãe de Olga e Inácio. Praticante de meditação e yoga.

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.