Estudo aponta que é necessário rever programa de tratamento da Fisioterapia e da Terapia Ocupacional para pessoas com Parkinson

0
3788

Estudo recente publicado no Journal of the American Medical Association (JAMA) Neurology avaliou a eficácia da intervenção clínica de atendimentos individuais de Fisioterapia e de Terapia Ocupacional em pessoas com Doença de Parkinson (DP).

O estudo foi realizado com 762 pacientes com DP de leve a moderada (idade média: 70 anos) no Reino Unido e estes foram acompanhados durante 15 meses. Os pacientes com dificuldades na realização de Atividades de Vida Diária (AVD) foram de forma randômica distribuídos entre os que fariam o acompanhamento da reabilitação (Fisioterapia e Terapia Ocupacional) (n. 381) e os que ficariam sem terapia (n. 381).

Ao longo do estudo foram utilizadas as seguintes escalas de avaliação:

  • Nottingham Extended Activities of Daily Living (NEADL)
  • Parkinson Disease Questionnaire–39
  •  EuroQol-5D

O tempo médio de contato com terapeuta foi de 58 minutos e o número atendimentos foi de quatro visitas ao longo de 8 semanas. Aos 3 meses de acompanhamento não foi encontrada nenhuma diferença na pontuação geral do NEADL entre os 2 grupos; os demais questionários, em outras fases da pesquisa, apontaram uma pequena diferença em favor da terapia.

Ao analisar os resultados obtidos na pesquisa, os atendimentos de Fisioterapia e Terapia Ocupacional não apresentaram melhorias clinicamente significativas de imediato ou a médio prazo nas AVD ou na qualidade de vida dos pacientes com DP de leve a moderada.

Esta evidência não suporta todas as formas de intervenção da Fisioterapia e da Terapia Ocupacional, em especial nos pacientes com DP em fase inicial. No entanto, conclui que pesquisas futuras devem explorar o desenvolvimento e testes de programas de tratamento mais estruturados e intensivos em pacientes com todas as fases da DP.

Para acessar o estudo: JAMA

Leia também: 

GyroGlove: tecnologia vestível que promete neutralizar o tremor das mãos causado pela doença de Parkinson

Ter uma perspectiva negativa sobre o envelhecimento pode aumentar o risco de Alzheimer

“E se vivêssemos todos juntos?”: filme sobre envelhecimento e amizade

Conheça os cadernos de exercícios para estimulação cognitiva Reab.me!!!

cadernos

Sou terapeuta ocupacional de formação, comunicadora por dom e experiência ao longo dos 10 anos frente ao reab.me; empresária que aposta na produção de produtos e conteúdos significativos e com propósito para ajudar as pessoas que precisam dos cuidado da reabilitação. Editora-chefe do Reab.me. Terapeuta Ocupacional (UFPE) com especialização em Tecnologia Assistiva (UNICAP). Mestre em Design (UFPE). Sou autora de 4 livros de exercícios para estimulação cognitiva que servem como material de apoio em contextos terapêuticos que visam a manutenção ou melhora de disfunções cognitivas. Sendo eles: - 50 exercícios para estimulação cognitiva: o cotidiano em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a culinária em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a família em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva de crianças com dificuldades de aprendizagem. No mais, sou Ana, esposa de Fábio, mãe de Olga e Inácio. Praticante de meditação e yoga.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.