Estimulação cerebral profunda no Parkinson pode interferir na percepção de emoções

1
2744

Para algumas pessoas com doença de Parkinson (DP), muitas vezes não é possível diferenciar entre um doce sorriso ou uma careta de raiva, uma recepção calorosa ou um comentário rude. E um dos principais tratamentos para a DP pode estar fazendo piorando esse déficit, de acordo com novas pesquisas.

Como sabemos, a debilitante desordem de movimento da DP começa com pequenos tremores e, gradualmente, interfere na capacidade de um indivíduo de controlar os movimentos, incluindo os da fala. Mas também muitas vezes contribui para a demência, alterações de personalidade e outras deficiências, como inúmeros médicos, pesquisadores e famíliares que lidam com o transtorno têm documentado. Pessoas com DP muitas vezes tornam-se socialmente retraídas e desconfortáveis em situações sociais.

Este mal-estar social pode resultar da diminuição da capacidade das pessoas com Parkinson em compreender as emoções das outras pessoas, de acordo com um estudo publicado na edição de março da Neuropsicologia.

“A idéia aqui é que algumas das regiões do cérebro que são prejudicadas no Parkinson são também as regiões que usamos quando estamos interpretando emoções em outras pessoas, sejam elas da face ou da voz”, disse o autor Heather Gray , professor de psiquiatria na Harvard Medical School em Cambridge, Massachusetts. Gray explicou que a doença de Parkinson afeta  área localizada na base do cérebro, que controla movimentos involuntários e emoções.

“Existem caminhos entre os gânglios da base e de outras áreas que estão envolvidas no reconhecimento da emoção, e assim se você interromper uma parte do circuito lá, você interromper a coisa toda”, disse Gray.

Gray e colaboradores coletaram dados de 34 estudos diferentes com pesquisas específicas para reconhecimento de emoções em pessoas com Parkinson. “A partir dos estudos, extraímos dados sobre quantas pessoas nos dois grupos (Parkinsonianos e o de controle) realizaram bem essas tarefas.

Um ponto polêmico foi citado no artigo da Dra. Gray: o tratamento bem sucedido para os tremores de Parkinson pode estar piorando o número de vítimas da doença com fificuldades na comunicação emocional.

O tratamento que a Dra. Gray referiu foi a “estimulação cerebral profunda” – que envolve um processo cirúrgico que utiliza implante de eletrodos para estimular partes altamente específicas do cérebro afetadas por uma doença –  que hoje é o tratamento mais comum e eficaz para pacientes em estágio avançado de Parkinson,  que não respondem à medicação ou a outras formas de terapia. Muitas vezes, reduz ouaté mesmo  elimina os movimentos involuntários e tremores associados com a doença de Parkinson.

Nenhuma investigação atual tem mostrado que a  estimulação profunda do cérebro é útil para aliviar alguns dos problemas como demência e inaptidão social da doença de Parkinson. Na verdade, é o contrário que se está cogitando, que a estimulação profunda agrave o déficit de processamento emocional, de acordo com investigadores franceses no Centre Hospitalier Universitaire de Rennes.

O estudo, publicado também em Neuropsicologia no início deste ano, constatou que a estimulação profunda do cérebro em 24 pessoas com doença de Parkinson diminuíram significativamente a sua capacidade de reconhecer emoções das outras pessoas facial, especificamente o medo ea tristeza.

“No meu grupo de pacientes, não vejo isso como um problema significativo”, disse o Dr. Roy Bakay, professor de neurocirurgia na Rush University Medical Center, em Chicago. “Para a maior parte, estes são relativamente pequenos-offs de comércio para os principais benefícios da estimulação cerebral”.

Para as pessoas com doença de Parkinson, a estimulação cerebral profunda envolve uma das três regiões críticas da circulação no cérebro. O estudo francês exclusivamente estimulou a região núcleo subtalâmico em seus pacientes. O núcleo subtalâmico, localizado no interior do cérebro, é uma parte dos gânglios da base, que está envolvida no processamento emocional.

O estudo também incluiu um grupo de 20 pacientes de Parkinson que se submeteram a uma forma diferente de tratamento (terapia de reposição de dopamina) e um grupo controle de 30 pessoas saudáveis. Estes grupos não apresentaram sinais de insuficiência reconhecimento emocional. Todos os indivíduos foram avaliados antes e três meses após o tratamento.

“Muitos desses problemas psiquiátricos e cognitivos ocorrem logo após a cirurgia”, disse Bakay. “Acompanhamento é importante porque muitos destes problemas vão embora.”

Gray concordou: “Vai ser interessante acompanhar as pessoas até, talvez, seis a 12 meses na estrada e ver se ainda estão tendo esses problemas. Os estudos que foram incluídos no meu relatório foram principalmente  de pacientes acompanhados a curto prazo “.

Pacientes submetidos ao tratamento de estimulação profunda do cérebro têm eletrodos implantados cirurgicamente em uma parte muito específica do cérebro afetada por uma desordem. Os eletrodos, ligados a um marcapasso implantado perto da clavícula, fornecer um curso, externamente ajustável, de corrente elétrica para a região do cérebro por um período que varia de alguns meses a vários anos. A estimulação contínua da região do cérebro modifica circuitos e estabiliza a região afetada, acreditam os especialistas.

“Não é uma cura”, disse Bakay. “É um tratamento, e que produz alguns efeitos colaterais.”

Ele acrescentou: “É um procedimento muito seguro para a maioria das pessoas.”

Fonte: MEDILL REPORTS CHICAGO

Ana Katharina Leite

Sou terapeuta ocupacional de formação, comunicadora por dom e experiência ao longo dos 10 anos frente ao reab.me; empresária que aposta na produção de produtos e conteúdos significativos e com propósito para ajudar as pessoas que precisam dos cuidado da reabilitação. Editora-chefe do Reab.me. Terapeuta Ocupacional (UFPE) com especialização em Tecnologia Assistiva (UNICAP). Mestre em Design (UFPE). Sou autora de 4 livros de exercícios para estimulação cognitiva que servem como material de apoio em contextos terapêuticos que visam a manutenção ou melhora de disfunções cognitivas. Sendo eles: - 50 exercícios para estimulação cognitiva: o cotidiano em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a culinária em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a família em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva de crianças com dificuldades de aprendizagem. No mais, sou Ana, esposa de Fábio, mãe de Olga e Inácio. Praticante de meditação e yoga.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.