Doses baixíssimas do componente psicoativo da maconha (THC) protegem o cérebro de lesão cerebral

2
3991

Doses extremamente baixas do componente psicoativo da maconha, o THC, pode proteger cérebro antes e depois da lesão, diz pesquisa.

A maconha é uma droga recreativa bem conhecida,  e extensa pesquisa científica foi realizada última década sobre suas propriedades terapêuticas. A Cannabis medicinal é frequentemente utilizada por pessoas que sofrem de doenças crônicas, incluindo câncer e transtorno de estresse pós-traumático, para combater a dor, insônia, falta de apetite e outros sintomas.

O professor Yosef Sarne do Centro de Adelson da Faculdade de Medicina daUniversidade de Tel Aviv diz que a droga tem qualidades neuroprotetoras. Ele descobriu que baixíssimas doses de THC – o componente psicoativo da maconha – protege o cérebro de danos cognitivos de longo prazo, causados por lesões ​​por hipóxia (falta de oxigênio), convulsões ou drogas tóxicas. A lesão cerebral pode ter conseqüências que vão desde déficits cognitivos leves a danos neurológicos graves.

Na pesquisa ratinhos foram injetados com uma única dose baixa de THC antes ou depois expô-los a um trauma cerebral. Um grupo de ratos controle tiveram a lesão cerebral, mas não receberam o tratamento com THC. Os destinatários do tratamento THC tiveram melhor desempenho em testes comportamentais de medição de aprendizagem e de memória após a lesão.

Pesquisa atual do Prof Sarne, publicado nas revistas Behavioural Brain Research and Experimental Brain Research, demonstra que mesmo baixas doses de THC – cerca de 1.000 a 10.000 vezes menor do que em um cigarro de maconha convencional – administrado de 1 a 7 dia antes ou de 1 a 3 dias após a lesão pode alavancar processos bioquímicos que protegem as células do cérebro e a preservação da função cognitiva ao longo do tempo.

Este tratamento, especialmente pelo longo período de tempo para a administração e a baixa dosagem, pode ser aplicável a diversos casos de lesão cerebral e ser mais seguro ao longo do tempo, o Prof Sarne diz.

3410000930_95fc2866fa

Sobre o uso preventivo e de longo prazo…

De acordo com o professor Sarne, existem vários benefícios práticos para este plano de tratamento, que pode ser usado não só para tratar a lesão após o fato, mas também para evitar que a lesão venha a ocorrer no futuro. Por exemplo, as máquinas cardiopulmonares utilizadas em cirurgia de coração carregam o risco de interromper o fornecimento de sangue ao cérebro, e que a droga pode ser usada de antemão, como medida preventiva. Além disso, a baixa dosagem torna seguro o uso normal em pacientes em constante risco de lesão cerebral, tais como epilépticos ou portadores de um risco elevado de ataque cardíaco.

Prof Sarne está agora a trabalhar em colaboração com o Prof Edith Hochhauser do Centro Médico Rabin, para testar a capacidade de doses baixas de THC para evitar danos no coração. Os resultados preliminares indicam que eles vão encontrar o mesmo fenômeno de proteção em relação à isquemia cardíaca, em que o músculo cardíaco recebe o fluxo de sangue insuficiente.

__________________________________

Gostaram do post??? Esperamos que sim!!! 

Se gostou mesmo clica no botão do Google Plus abaixo do post e avisa com esse gesto simples ao Google que esse conteúdo é de qualidade. Assim, você tá ajudando o site a ser relevante, a crescer e a trazer muito mais coisas para vocês!! 

Vamos ganhar esse clique valioso?? Obg!! =)

Ah, para os fãs de Facebook que querem espalhar o post “por aí” é só clicar e compartilhar! 

_________________________________

Imagem destacada:north cascades national park
Imagem no post: Caverman Chuck
Fonte: neuroscience news

 

Sou terapeuta ocupacional de formação, comunicadora por dom e experiência ao longo dos 10 anos frente ao reab.me; empresária que aposta na produção de produtos e conteúdos significativos e com propósito para ajudar as pessoas que precisam dos cuidado da reabilitação. Editora-chefe do Reab.me. Terapeuta Ocupacional (UFPE) com especialização em Tecnologia Assistiva (UNICAP). Mestre em Design (UFPE). Sou autora de 4 livros de exercícios para estimulação cognitiva que servem como material de apoio em contextos terapêuticos que visam a manutenção ou melhora de disfunções cognitivas. Sendo eles: - 50 exercícios para estimulação cognitiva: o cotidiano em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a culinária em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a família em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva de crianças com dificuldades de aprendizagem. No mais, sou Ana, esposa de Fábio, mãe de Olga e Inácio. Praticante de meditação e yoga.

2 COMENTÁRIOS

  1. Gostaria de saber sobre o uso do THC. Tenho um irmão que sofreu um acidente de moto em 1991, teve traumatismo craniano. Em agosto de 2014 sofreu um convulsão e foi detectado um tumor cerebral. Fez a cirurgia para retirada do mesmo e segundo informações há ramificações. Disseram que não era maligno. Gostaria de saber se usando o THC podemos inibir o desenvolvimento destas ramificações. Hoje ele trata com remédio para evitar novas convulsões e mais alguns.
    Agradeço se alguem puder me informar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.