Devido à perda de força, alterações de sensibilidade, subluxação de ombro e dores fortes no membro atingido, indivíduos com Lesão do Plexo Braquial (LPB) têm dificuldade em se readaptar ao cotidiano e retomar as suas Atividades de Vida Diária (AVDs).

Atividades simples, como o vestir, até atividades mais complexas como preparar uma refeição podem ser desafos cotidianos para pessoas com (LPB). Neste contexto, estudo publicado no Revista de Terapia Ocupacional da USP apresentou um relato de experiência de desenvolvimento de um recurso de TA para um paciente com LPB para favorecer a atividade de “cortar e descascar alimentos”, atendido na clínica escola de Terapia Ocupacional da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

As pessoas com LPB podem ser benefciadas pelas Tecnologias Assistivas (TAs), que são definidas como: qualquer item, equipamento ou produto, seja ele adquirido comercialmente, modificado ou personalizado que é usado para aumentar, manter ou melhorar as capacidades funcionais dos indivíduos.

Após avaliação e desenvolvimento do produto foram realizados treinos de uso e o acompanhamento em ambiente domiciliar, com vista a testar eficácia da TA. O paciente ainda passou por um processo de reavaliação para comparação dos resultados.

De acordo com os resultados, foi possível considerar o recurso eficaz, por aumentar o desempenho e a satisfação do paciente quanto à realização da atividade eleita como prioritária pelo mesmo, “cortar e descascar alimentos”, que estava afetada.

Para saber mais, acesse o artigo clicando no link abaixo: Desenvolvimento de recurso de tecnologia assistiva. Rev Ter Ocup Univ São Paulo. 2017 maio/ago.;28(2):246-53.

 

COMPARTILHAR
Editora-chefe do Reab.me. Terapeuta Ocupacional (UFPE). Especialista em Tecnologia Assistiva (UNICAP). Mestre em Design e Ergonomia (UFPE). Consultora em Tecnologia para Reabilitação.

DEIXE UMA RESPOSTA

nove − 6 =