Demência Semântica e Deficit da Informação do Sabor

0
3708

O sabor é literalmente o “tempero da vida”. Para muitas pessoas a vida sem os prazeres da mesa seria impensável (eu sou uma delas: “tudo por um bom prato!!”). Infelizmente, a revista Cortex publicou um artigo este mês(jun/2010) que revela que este aspecto da vida cotidiana é vulnerável em determinadas demências, em clientes que desenvolvem comportamentos alimentares anormais, incluindo mudanças nas preferências alimentares. Novas pesquisas revelam evidências de que esses comportamentos estão associados a uma perda do significado para os sabores.

Dr. Katherine Piwnica-Worms da Universidade de Washington em St Louis, Missouri, juntamente com o Dr. Jason Warren e seus colegas do University College de Londres, investigaram o tratamento da informação sabor em pacientes com demência semântica, uma doença degenerativa que afeta o lobo temporal do cérebro. Os pacientes com esta condição sofrem uma perda profunda do significado das palavras e, finalmente, de coisas do mundo em geral, além disso, muitos desenvolvem uma preferência por alimentos incomuns ou combinações de alimentos.

Os investigadores testaram o tratamento dos pacientes com geléias: um estímulo conveniente e amplamente disponíveis abrangem um amplo espectro de sabores. As habilidades dos pacientes para discriminar e identificar os aromas e avaliar combinações de sabores de acordo com sua conveniência e simpatia foram comparados com pessoas saudáveis da mesma idade e formação cultural. Os pacientes foram capazes de discriminar sabores diferentes e normalmente para indicar se encontraram certas combinações agradáveis ou não, mas eles tiveram dificuldades em identificar sabores individuais ou avaliar a adequação das combinações de sabor particular (por exemplo, a baunilha e calda).

Estes resultados fornecem a primeira evidência de que o significado de sabores, como outras coisas no mundo, torna-se afetada de pacientes com demência semântica: esta é uma verdadeira “pan-modal” deficiência de conhecimento. A pesquisa dá pistas para os estudos de comportamentos alimentares anormais e de avaliação de alimentos alterados demonstrado por muitos pacientes com demência. Mais amplamente, os resultados oferecem uma perspectiva sobre como o cérebro organiza e avalia os sabores comuns que enriquecem nossas vidas diárias.

O artigo é “Sabor tratamento de pacientes com demência semântica”, de Katherine E. Piwnica-Worms, Omar Rohani, Julia C. Hailstone, e Jason D. Warren, e aparece em Cortex, Volume 46, Issue 6 (Junho 2010), publicado pela Elsevier na Itália.

Amei esse artigo, gente!!! Muito, muito bommmm!!!

Fonte: Alzheimer’s Reading Room

Ana K.

Sou terapeuta ocupacional de formação, comunicadora por dom e experiência ao longo dos 10 anos frente ao reab.me; empresária que aposta na produção de produtos e conteúdos significativos e com propósito para ajudar as pessoas que precisam dos cuidado da reabilitação. Editora-chefe do Reab.me. Terapeuta Ocupacional (UFPE) com especialização em Tecnologia Assistiva (UNICAP). Mestre em Design (UFPE). Sou autora de 4 livros de exercícios para estimulação cognitiva que servem como material de apoio em contextos terapêuticos que visam a manutenção ou melhora de disfunções cognitivas. Sendo eles: - 50 exercícios para estimulação cognitiva: o cotidiano em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a culinária em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a família em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva de crianças com dificuldades de aprendizagem. No mais, sou Ana, esposa de Fábio, mãe de Olga e Inácio. Praticante de meditação e yoga.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.