Para alguns, quanto mais brinquedos disponíveis para a criança, melhor. No entanto, o que pode parecer ideal para desenvolver novas habilidades, muitos brinquedos, provoca o efeito inverso.

Vamos a um exemplo:

Duas crianças brincando no meio de diversos brinquedos espalhados pelo chão, atrás deles pode-se observar uma cabana e um túnel

Observe a imagem acima e perceba a quantidade de brinquedos. Muitos, né? E o excesso de objetos gera uma condição onde fica mais difícil escolher o brinquedo e se se manter brincando. Assim, o brinquedo é menos explorado e, no final da contas, a criança tem menos oportunidade de desenvolver as habilidades que aquele brinquedo ou brincadeira proporcionaria.

A rotação de brinquedos é uma estratégia onde a criança tem acesso a um número pequeno e limitado de brinquedos. Deixe de 5 a 10, no máximo. E, de tempos em tempos (não existe regras quanto a peridiocidade) aqueles brinquedos serão substituídos por outros que estão guardados. Os brinquedos preferidos, um ou dois, podem até permanecer, sem problemas. O que importa é renovar, retirar os que estão acessíveis, guardá-los e trazer os guardados para  criança. O que importa é sempre manter o número.

Os brinquedos guardados são recebidos com a curiosidade de um novo brinquedo e são explorados mais uma vez e até de formas diferentes. Uma grande oportunidade para a criança!

A rotação de brinquedos é ainda uma oportunidade de reorganizar o (tão famoso e adorado) quarto de brinquedos, ou o espaço de guardar os brinquedos. Retirando os brinquedos do campo visual da criança, esse espaço vai ter a quantidade de estímulos reduzido, mais organização e até mais oportunidade de ensinar a criança sobre guardar (leia o post sobre os benefícios da rotação de brinquedos).

Leia aqui sobre dicas para facilitar a rotação de brinquedos!!

Gostou da proposta? Já usa? Comenta aqui sua experiência

Imagem Rawpixel.com
Imagem bearfotos

DEIXE UMA RESPOSTA

vinte − 2 =