Foi publicada na Revista de Neurologia uma revisão sistemática da literatura sobre o reconhecimento emocional das expressões faciais em crianças com TDAH. O objetivo foi estabelecer ou descartar a existência de déficits emocionais como disfunções primárias do transtorno; e, se aplicável, quais as diferenças com crianças de desenvolvimento normal ou neurotípicas.

Embora haja interesse no assunto, não existe um acordo total e as informações ainda são limitadas. A maioria dos estudos mostra que o reconhecimento emocional das expressões faciais é afetado em crianças com TDAH, e estas são significativamente menos precisas do que as crianças pertencentes a grupos de controle no reconhecimento das emoções comunicadas através das expressões faciais. Alguns desses estudos fazem comparações no reconhecimento de diferentes emoções discretas; em crianças com TDAH parece existir uma tendência para a maior dificuldade no reconhecimento de emoções negativas, principalmente raiva, medo e desgosto. Os resultados desses estudos têm implicações diretas para o diagnóstico educacional e clínico e para a intervenção educacional com crianças com TDAH, a quem a educação emocional pode ser uma vantagem.

Para saber mais leia o estudo:

2017 Aug 16;65(4):145-152.

DEIXE UMA RESPOSTA