Cozinha para Autismo: ferramentas adaptadas são prêmio de Design

8
4957

Uma jovem designer criou um conjunto engenhoso de ferramentas de cozinha (com aplicativo de acompanhamento) que permite o seu irmão autista cozinhar para si mesmo.

Para a maior parte de nós, preparar uma receita, como panquecas, é um assunto fácil com etapas simples de execução, mas para Steven Savitzky  o processo não é tão fácil. Ele foi diagnosticado com transtorno do espectro autista aos 18 meses e hoje, aos 20 anos, ainda mora com seus pais em Long Island, Nova York.  Para ele, a cozinha é um lugar angustiante. “É um ambiente sensorial rico, e que pode ser um obstáculo para alguém com autismo“, diz Amanda Savitzky,  irmã de Steven.

Cozinhar é um grande desafio, necessita-se tanto de habilidades motoras grossas e finas, bem como um nível de habilidades cognitivas que pode não ser alcançada para muitos com Autismo. Mas, em um dia chuvoso no início de abril, Amanda e seus pais, Lily e Bob, puderam ver Steven fazendo sozinho um dos seus alimentos preferidos, panquecas.

Steven estava na cozinha usando um conjunto colorido de ferramentas chamado Match Cooking Prep System for People with Autism Spectrum Disorder. Amanda desenvolveu o sistema em 2012 para seu projeto de tese em Desenho Industrial na Universidade de Syracuse, e sua concepção pragmática que foi exaustivamente pesquisada ganhou o $ 10,000 como prêmio 2013 Metropolis Next Generation Competition.

A competição este ano concentrou-se em uma necessidade de design muitas vezes esquecida, mas difundida em nossa cultura: uma vida independente. As diretrizes da competição pedia aos  jovens designers participantes para considerar alguém em sua própria vida que poderia se beneficiar com um design inclusivo.

O Sistema Match Cooking Prep incentiva adultos com Autismo a reunir, medir e misturar usando um conjunto integrado de ferramentas na cozinha. Quatro copos de medição compostos com cabos ergonômicos têm quatro formas e cores que são equivalentes às medidas culinárias básicas diferentes: um pentágono vermelho equivale a um copo, um quadrado amarelo é igual a metade de um copo, um triângulo verde é igual a um terço de um copo e o círculo azul é igual a um quarto de xícara.

Os copos são encaixados em uma placa de madeira  com formas correspondentes e cada copo encaixa com um ímã. O dispositivo é uma reminiscência de um tabuleiro de quebra-cabeça para crianças. Outra placa de madeira abriga três tigelas de preparação de tamanhos variados que podem ser usados ​​para misturar ingredientes.

Em Siracusa, Amanda se formou em Psicologia e Desenho Industrial, porque ela acreditava que qualquer produto precisa ser baseado em uma compreensão aprofundada do Autismo. Natalie Russo, professora assistente de Psicologia em Syracuse, ajudou Amanda a entender como as pessoas com Autismo integram a informação sensorial no cérebro.

A pesquisa de Russo tenta entender como o cérebro dos autistas processa as informações sensoriais. “As crianças com Autismo podem detectar detalhes, muitas vezes, melhor do que nós, por exemplo, eles podem se destacar em  jogos como, Onde está Wally?“, Diz ela. “Nós sabemos que seus cérebros funcionam de forma diferente, sendo assim como podemos tornar o mundo mais adequado à essas características? O projeto de Amanda se encaixa muito bem com essa idéia. Ela não está dizendo que é preciso ensinar às crianças com Autismo da forma como todo mundo é ensinado, ela está perguntando como podemos mudar o que nós fornecemos para apoiar a maneira como eles são.”

Com o sistema Match Cooking Prep System, Amanda realizou a análise da tarefa para preparar comida. Primeiro, ela analisou as medidas necessárias para se reunir e preparar uma refeição simples, recolhendo ingredientes para medir e misturar. Em seguida, ela considerou os obstáculos que atrapalham uma pessoa autista nessas etapas. “Eu vi meu irmão tentando usar um copo de medição pequeno. Ele estava segurando-o com um aperto de pinça e estava tremendo porque ele não tem o motor bem essa habilidade para preensão. Esses copos de medição são empilháveis ​​para economizar espaço, mas o empilhamento confundia, e as designações de medida não significavam nada. O que um sobre quatro significa alguém que não entende?” Ela pergunta. “Uma das primeiras habilidades que uma criança autista aprende são as cores e formas, daí eu pensei, por que não fazer os copos de medição de formas diferentes? Assim, um quarto de xícara se torna um círculo azul, e meia xícara torna-se um quadrado amarelo.

Amanda passou horas andando nas lojas pesquisando equipamentos de cozinha, e foi assim que ela chegou no conceito de mise en place. ” Essa é uma tradição culinária francesa usada por alguns dos melhores chefs do mundo para organizar os ingredientes antes e depois cozinhar“, diz ela. “Eu sabia que essa técnica seria fantástica para alguém com Autismo”.

A pesquisa de Amanda mostrou que uma estação de trabalho com sequenciamento organizado visualmente no espaço, onde tudo se move da esquerda para a direita, ajuda. A partir daí surgiu a colocação linear dos copos de medição e das tigelas nas placas de madeira.

Ao projetar o aplicativo para iPad Match, Amanda lembra que o software teve que ser pensado para diferentes pessoas. “Eu estava consciente de que o sistema tinha dois grupos de usuários: a pessoa com autismo e do cuidador.

Como se pode ver, o projeto de Amanda foi cuidadosamente pensado e fez a diferença. O sistema criado estimula a independência e aumenta a confiança no cuidador em permitir que a pessoa faça sua refeição de forma mais independente. O sistema não frustra, aumenta a auto-estima e a segurança da pessoa com Autismo na cozinha.

Ah, você já conhece nossos cadernos de exercícios reab.me? Com uma proposta super diferente e inovadora, os cadernos Reab já ganharam o respeito e admiração de vários profissionais brasileiros e portugueses. Conheça aqui.

Fonte e imagens: metropolismag.com

Sou terapeuta ocupacional de formação, comunicadora por dom e experiência ao longo dos 10 anos frente ao reab.me; empresária que aposta na produção de produtos e conteúdos significativos e com propósito para ajudar as pessoas que precisam dos cuidado da reabilitação. Editora-chefe do Reab.me. Terapeuta Ocupacional (UFPE) com especialização em Tecnologia Assistiva (UNICAP). Mestre em Design (UFPE). Sou autora de 4 livros de exercícios para estimulação cognitiva que servem como material de apoio em contextos terapêuticos que visam a manutenção ou melhora de disfunções cognitivas. Sendo eles: - 50 exercícios para estimulação cognitiva: o cotidiano em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a culinária em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a família em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva de crianças com dificuldades de aprendizagem. No mais, sou Ana, esposa de Fábio, mãe de Olga e Inácio. Praticante de meditação e yoga.

8 COMENTÁRIOS

    • Oi Bianca, não sabemos te dar essa informação. No entanto, com o nome do material e da design acho que vc consegue o contato deles fácil! O material parece MUITO legal, não é? Abraço!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.