Como fazer neurônios humanos

1
2957
A realização de transformar células da pele humana em células nervosas é o mais recente feito em um campo em rápido movimento chamado transdiferenciação, no qual as células são forçadas a adotar novas identidades. No ano passado, os pesquisadores converteram células do tecido conjuntivo, encontradas na pele, em células do coração, sangue e fígado.

Transdiferenciação é uma alternativa para a reprogramação celular que envolve a conversão de uma célula madura em uma célula-tronco pluripotentes – capaz de se tornar um de muitos tipos de células – em seguida, persuadindo a célula pluripotente a se tornar um tipo específico de célula, como um neurônio.

Marius Wernig, pesquisador de células-tronco da Universidade de Stanford, na Califórnia, e líder do estudo, afirma que pular a etapa de pluripotência poderia evitar alguns dos problemas de fazer o tecido nervoso, como o tempo, pois a técnica da pluripotência pode levar meses para ser concluída.

A equipe de Wernig despertou a imaginação de “reprogrammers celulares” no ano passado, quando transformou células retiradas da ponta da cauda de um rato em uma célula nervosa. Essa proeza da alquimia celular levou apenas três genes e menos de duas semanas. “Nós pensamos que, como ela funcionou tão bem em ratos, ela não deveria ser problema em humanos”, diz Wernig.

Esses três genes usados em ratos também fizeram células humanas parecerem células nervosas, mas isso não garantiu a transmissão de pulsos elétricos, característica dos neurônios. Entretanto, a adição de um  quarto gene levou fibroblastos – células do tecido conjuntivo encontradas em todo o corpo e envolvidos na cicatrização de feridas – coletados de fetos abortados e de recém-nascidos a se tornarem neurônios. Depois de algumas semanas em cultura, muitos dos neurônios responderam a choques elétricos através de bombeamento de íons nas suas membranas. Algumas semanas mais tarde, esses neurônios começaram a formar conexões, ou sinapses, com neurônios de rato.

Há ainda muito a ser trabalhado, Wernig admite. Somente 2-4% dos fibroblastos tornaram-se neurônios- menor que a eficiência de sua equipe, que alcançou aproximadamente 8% com as células da cauda do rato.

A maioria dos neurônios realizou comunicação através de um químico chamado glutamato, o que limita sua utilização para a compreensão ou tratamento de doenças como Parkinson.

Wernig diz que sua equipe espera melhorar os resultados e está tentando fazer com que os neurônios se comuniquem usando outros produtos químicos.

E nós aqui na torcida…
Fonte: nature.com
Foto: thelunch_box http://www.flickr.com/photos/thelunch_box/2798522576/

 

1 COMENTÁRIO

  1. Parabéns! Vcs estão sempre antenadas. Adoro receber essas notícias com esperança no avanço da ciência. A transdiferenciação celular em neurônios ainda é um sonho. Mas vamos torcer!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.