Características do cuidador podem afetar a progressão de Demências, como o Alzheimer

4
3224

Os cuidadores podem fazer mais para evitar a progressão da doença do que se pensava anteriormente.

Novos resultados de pesquisas da Utah State University (USU) mostram que  a forma dos cuidadores abordarem os problemas gerados pela doença de Alzheimer e outras formas de demência pode promover maior funcionamento entre aqueles que sofrem.

“Este estudo é um evento inovador na luta contra a demência, incluindo Alzheimer, que tem sido tão devastadora para os indivíduos acometidos e suas famílias, especialmente, dadas as opções limitadas de tratamento”, disse Joann Tschanz, professor de psicologia na USU e autor do estudo.

“Com exceção de sintomas psiquiátricos, poucos estudos examinaram como as características do cuidador podem afetar a taxa de progressão da demência, e nossos achados indicam associações significativas entre as estratégias de enfrentamento do cuidador e a taxa de declínio cognitivo e funcional em demência”, disse Tschanz.

Coincidentemente, os pesquisadores da Universidade de Utah estão na iminência de desenvolver um aplicativo para smartphone e tablet  que irá ajudar os cuidadores sabem como lidar com situações específicas, ajudando-os a melhorar as estratégias de enfrentamento.

Leonard Salt Lake City Romney tenta ficar ocupado com sua mulher, Kathryn, que, aos 70 anos, enfrentou o diagnóstico da doença de Alzheimer . Olhando para trás, no entanto, Leonard disse que pode identificar sinais da doença anos antes.

A doença de Alzheimer, como de costume, foi um intruso gradual na vida do casal, mas eles ainda são capazes de passar um pouco de tempo juntos. Eles lêem, pintam, fazem exercício, viajam o mundo e têm aulas de dança de salão juntos, entre outras tarefas domésticas diárias.

Leonard Romney, 73, disse queessa rotina mantém ambos felizes em meio aos desafios de uma doença que debilita lentamente.

O maior problema enfrentado é que ele está sentindo suas próprias deficiências em lidar com as pressões de ser um cuidador. Para obter ajuda, frequenta grupos de apoio e permanece em contato com um número de pessoas que também lidam com a doença de Alzheimer em suas próprias famílias.

“Você tem que ser paciente, gentil e cuidadoso no que você diz,” Leonard diise.

“O cuidador tem uma enorme influência sobre a pessoa com demência”, disse Tschanz, autor da pesquisa, acrescentando que muitas vezes é o cuidador que planeja o dia-a-dia.

Mais de 5.000 moradores do condado de Utah foram rastreados por uma década. Seu trabalho atual, que é financiado pelo National Institute on Aging, avaliou 226 pessoas que haviam desenvolvido demência durante o período de estudo e seus cuidadores.

“Nós descobrimos que há enorme variabilidade individual em quão rápido as pessoas declinam”, Tschanz disse.

A pesquisa, impressa em edição de janeiro do American Journal of Geriatric Psychiatry, sugere que o ambiente de uma pessoa é um fator-chave na degradação da doença ao longo do tempo.

Condições gerais de saúde, alimentação e nutrição, e dados demográficos básicos são fatores ambientais que podem desempenhar um papel nos resultados da doença de Alzheimer, assim como mecanismos de enfrentamento do cuidador.

Estratégias positivas de enfrentamento, Tschanz disse, incluem enfrentamento focado no problema, buscando maior apoio social, o que ajuda a retardar o declínio paciente.

Por outro lado, a pesquisa constatou que os cuidadores focados em estratégias negativas – como evitar o cliente, culpar a si mesmos ou aos outros – resultou em declínio rápido das medidas cognitivas e funcionais de um paciente.

“Se pudéssemos reduzir a progressão da doença de Alzheimer e outras demências, poderia haver uma redução de custos enormes, havendo também efeitos benéficos para entes queridos”, disse Tschanz.

Fonte: deseret.news
Imagem: On Being

 

Sou terapeuta ocupacional de formação, comunicadora por dom e experiência ao longo dos 10 anos frente ao reab.me; empresária que aposta na produção de produtos e conteúdos significativos e com propósito para ajudar as pessoas que precisam dos cuidado da reabilitação. Editora-chefe do Reab.me. Terapeuta Ocupacional (UFPE) com especialização em Tecnologia Assistiva (UNICAP). Mestre em Design (UFPE). Sou autora de 4 livros de exercícios para estimulação cognitiva que servem como material de apoio em contextos terapêuticos que visam a manutenção ou melhora de disfunções cognitivas. Sendo eles: - 50 exercícios para estimulação cognitiva: o cotidiano em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a culinária em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a família em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva de crianças com dificuldades de aprendizagem. No mais, sou Ana, esposa de Fábio, mãe de Olga e Inácio. Praticante de meditação e yoga.

4 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.