Autismo e Fonoaudiologia

1
7986

 

Devido às grandes dificuldades comunicativas das crianças com Autismo, especialmente no desenvolvimento da linguagem, a intervenção fonoaudiológica é imprescindível para o tratamento precoce dessas crianças.

Os objetivos da intervenção fonoaudiológica variam  de acordo com as características de cada criança, mas de uma forma geral busca ampliar a funcionalidade da comunicação, aumentar a freqüência dos comportamentos comunicativos intencionais, estimular a compreensão e a expressão verbal, proporcionar novos contextos de comunicação e auxiliar na inclusão da criança na escola e na sociedade.

As respostas ao tratamento serão diferentes para cada criança. Algumas delas apresentam um grande progresso logo nos primeiros meses de intervenção enquanto outras podem necessitar de um tempo maior. Algumas crianças irão desenvolver bem a comunicação verbal enquanto outras poderão necessitar de formas alternativas de comunicação.

O sucesso da terapia fonoaudiológica é composto de pequenos sucessos, como o aumento na frequência dos comportamentos comunicativos (através de olhares, gestos, vocalizações, fala… ), maior participação em atividades de atenção conjunta, maior atenção à fala, aumento das vocalizações, primeiras palavras…

Além da intervenção fonoaudiológica, a família e os demais interlocutores da criança tem um importante papel no processo de aquisição da linguagem, por isso, é importante que busquem sempre estimular seus comportamentos comunicativos em diferentes contextos, como brincar com um animal de estimação ou visitar algum parque onde possa conhecer e interagir com outras pessoas. Estimular a dar bom dia, despedir-se, dizer obrigada, por favor, perguntar como a pessoa se chama, o que está fazendo…

Outra sugestão é buscar participar das atividades que a criança esteja realizando, aproveitando a brincadeira para falar sobre as ações da criança (você vai dar comida pro bebê?) e as situações que a brincadeira proporciona (“ih.. o cavalo caiu… vamos colocar ele de pé outra vez…”).

Deve-se ficar atento às respostas da criança, que podem ser através de gestos, olhares, vocalizações, ou mudanças de comportamento.

Você conhece alguém que poderia se beneficiar desse conteúdo ou  gostaria de acrescentar algo? Sinta-se a vontade para compartilhá-lo e deixar seu comentário! Sua participação é muito importante.

 

Dirlene Moreira
Fonoaudióloga – CRFª 6-7861
www.fonoemfoco.blogspot.com

Dirlene Moreira é fonoaudióloga, especializando em linguagem. Atua principalmente no atendimento a crianças com deficiência intelectual e atraso no desenvolvimento da linguagem. | Contato: 31-8229-0290

Outros posts da autora no Reab.me:

Como desenvolver a fala em crianças com síndrome de down?

1 COMENTÁRIO

  1. adorei o site parabéns estou trabalhando com um aluno autista x frágil de 6 anos que não emite som em busca de alternativas e técnicas pedagógicas para seu desenvolvimento me deparei com essas lindas possibilidades que estarei pondo em prática.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.