Antecedente de TCE grave pode aumentar risco de desenvolver demência

0
291

Um traumatismo craneoencefálico (TCE) grave, especialmente na fase adulta, pode aumentar o risco de desenvolver demência mais tarde, sugerem novas pesquisas na Finlândia.

O estudo incluiu 19.936 pessoas com idades entre 18-65 anos que sofreram TCE moderado-grave e outros 20.703 com história de TCE leve. As lesões ocorreram entre 1987 e 2014, e os pesquisadores seguiram os participantes durante um período de 11 anos.

Os pacientes com TCE foram hospitalizados com menos de um dia após o acidente e não sofreram hematoma, inflamação, hemorragia ou coágulo sanguíneo no cérebro. Os indivíduos com TCE moderado-grave foram hospitalizados durante pelo menos três dias e sofreram alguma forma de lesão cerebral grave. Não houve diferenças significativas entre os dois grupos em termos de idade, nível educacional ou nível socioeconômico.

Embora tenha sido observado um risco maior de média de demência em ambos os grupos, os pacientes com CAD moderada-grave apresentaram risco significativamente maior. O aumento mais acentuado do risco, quase triplo, foi observado naqueles que sofreram uma lesão cerebral traumática entre as idades de 41-50, e as chances de demência dobraram entre 51-60 anos. Mais pessoas no grupo TBI moderado-grave também terminaram com demência antes dos 65 anos, em comparação com aqueles no grupo TBI leve (40% vs. 26%, respectivamente).

O estudo mostrou que 3,5% daqueles com TCE moderadamente grave e 1,6% de indivíduos com TCE leve eventualmente receberam o diagnóstico de uma doença neurodegenerativa como a demência mais tarde na vida, substancialmente maior em comparação com pares da mesma idade sem história de lesão cerebral. O estudo não encontrou nenhuma ligação entre um TCE e um maior risco de desenvolver doença de Parkinson ou esclerose lateral amiotrófica.

Para ter acesso ao artigo, clica aqui!!

COMPARTILHAR
Editora-chefe do Reab.me. Terapeuta Ocupacional (UFPE). Especialista em Tecnologia Assistiva (UNICAP). Mestre em Design e Ergonomia (UFPE). Consultora em Tecnologia para Reabilitação.

DEIXE UMA RESPOSTA