A Fisioterapia nas distintas fases do Alzheimer: conheça as técnicas e objetivos dessa terapia

0
4082

10039567736_89b7824af9_z

 

A fisioterapia aplicada em pessoas com doença de Alzheimer é baseada em uma série de atividades que visam estimular e treinar o doente para retardar a perda dos componentes que envolvem essa atividade.

O objetivo é melhorar a qualidade de vida, promover a independência, manter a integridade física e evitar a estagnação e suas conseqüências. De forma mais específica, a fisioterapia ajuda a melhorar ou manter transferências tão independente quanto possível, manter a mobilidade e força muscular evitando a rigidez, manter a postura adequada saudável, aliviar a dor, evitar quedas, tratar doenças do aparelho circulatório e respiratório, melhorar humor e incentivar a socialização.

Técnicas de fisioterapia que são usadas para esses fins:

– Cinesiterapia
– Termoterapia e crioterapia
– Massoterapia
– Correção postural
– Treino do equilíbrio
– Treino de marcha e passeios assistidos
– Treino das transferências
– Fisioterapia respiratória
– Técnicas de ativação circulatória

Quanto às atividades em grupo é válido montar um grupo de “fitness” com exercícios simples para mobilizar ativamente cabeça, pescoço, tronco, membros superiores e inferiores.

Essa abordagem fisioterápica pode ser feita em conjunto com outros profissionais de trabalham em grupo como musicoterapeitas,  psicomotricistas e terapeutas ocupacionais para incluir também a intervenção cognitiva e até mesmo técnicas de relaxamento e danças.

De acordo com o estágio da doença, a abordagem fisioterápica muda. De forma resumida pode-se dizer que:

Na fase leve combinamos a terapia individual com terapia de grupo, dependendo das necessidades de cada pessoa. A intenção é diminuir a perda de sua independência física e promover a manutenção da mesma.

Na fase moderada enfatiza-se a prevenção de quedas. O tratamento individual proporcionará uma maior assistência, dando instruções claras e simples para compreensão do doente. A cinesiterapia ser passiva ou com exercício ativo-assistido vai ajudar na reeducação postural,  a manutenção do equilíbrio e da marcha. Os exercícios de fitness em grupo são muito simples, intensificando a explicação para favorecer o entendimento.

Na fase grave não é possível as atividades em grupo . A intervenção será destinada a evitar as consequências do imobilismo por meio de uma terapia passiva de exercícios, correção postural, fisioterapia respiratória e controle da dor, se possível mantendo a posição de pé ou a capacidade de dar passos. É importante dar assistência e orientações quanto ao tratamento para apoiar a equipe ou o cuidador para prevenir a ocorrência de úlceras de pressão, quedas e outras condições indesejadas.

E vocês têm algo para acrescentar? Por favor comentem e colabore! =)

fonte: alzheimeruniversal.eu    imagem: bromfordgroup

Sou terapeuta ocupacional de formação, comunicadora por dom e experiência ao longo dos 10 anos frente ao reab.me; empresária que aposta na produção de produtos e conteúdos significativos e com propósito para ajudar as pessoas que precisam dos cuidado da reabilitação. Editora-chefe do Reab.me. Terapeuta Ocupacional (UFPE) com especialização em Tecnologia Assistiva (UNICAP). Mestre em Design (UFPE). Sou autora de 4 livros de exercícios para estimulação cognitiva que servem como material de apoio em contextos terapêuticos que visam a manutenção ou melhora de disfunções cognitivas. Sendo eles: - 50 exercícios para estimulação cognitiva: o cotidiano em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a culinária em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a família em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva de crianças com dificuldades de aprendizagem. No mais, sou Ana, esposa de Fábio, mãe de Olga e Inácio. Praticante de meditação e yoga.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.