Um desafio comum para cuidadores primários de crianças com autismo é buscar as melhores oportunidades de intervenção. Um estudo publicado na edição especial da Journal of Autism and Developmental Disorders oferece uma visão da compreensão dos pais acerca desta tarefa de escolher uma intervenção para o próprio filho (Shepherd et al., 2017). Os resultados do estudo indicam que profissionais, como os pediatras, desempenham um papel importante no processo de orientação e influência das opções de intervenção dos pais.

Os autores também observam que um fator chave para os pais ao selecionar intervenções específicas relaciona-se com as necessidades individuais da criança. Assim, existe uma responsabilidade importante em relação aos profissionais para fornecer aos pais informações atualizadas sobre intervenções de melhores práticas que atendam a essas necessidades individuais.

Esta não é, evidentemente, uma tarefa fácil, uma vez que existe uma falta de evidência que apóie abordagens de intervenção personalizadas e o acesso e a qualidade dos serviços podem variar amplamente com base no local onde esta família reside. Além disso, os profissionais podem precisar ajudar os pais a encontrarem intervenções específicas para lidar com problemas específicos.

A importância das intervenções que visam o domínio das habilidades cotidianas, como o treinamento do banheiro, não pode ser exagerada. Outro desafio frequente refere-se a dificuldades de sono; Estas impactam uma proporção substancial de crianças com TEA e, claro, também os pais. A diferença que uma boa noite de sono faz não deve ser subestimada.

Para acessar o artigo: The Scientific Study of Parents and Caregivers of Children with ASD: A Flourishing Field but Still Work to be Done. Anders Nordahl-Hansen. Logan Hart. Roald A. Øien. Journal of Autism and Developmental Disorders

Imagem: Freepik

FONTEJournal of Autism and Developmental Disorders
COMPARTILHAR
Editora-chefe do Reab.me. Terapeuta Ocupacional (UFPE). Especialista em Tecnologia Assistiva (UNICAP). Mestre em Design e Ergonomia (UFPE). Consultora em Tecnologia para Reabilitação.

DEIXE UMA RESPOSTA