6 biografias sobre deficiência que você deveria ler!

0
1215

As histórias das pessoais podem nos influenciar a refletir muito, concordam? Separamos algumas biografias que inspiram muitas lições. Infelizmente, procuramos link de compra para vocês, mas encontramos poucos. (Clica nas imagens e nos links abaixo para ir descobrindo!).

E Eu Venci Assim Mesmo – Dorina Gouvea Nowil (1996)

A vida e a obra de Dorina Nowill, brasileira que ficou cega na adolescência, especializou-se em educação para cegos, criou a primeira fundação para o livro do cego no Brasil e foi a primeira mulher a assumir a presidência do Conselho Mundial para o Bem Estar do Cego.

 

 

Do Outro Lado do Sol. Kátia Yuriko Ito (2002)

Este livro conta a história de Kátia Ito que, aos 19 anos, em 1983, sem qualquer sinal ou premonição, foi vítima de um angioma cerebral que danificou o lado esquerdo do cérebro. Cursando Medicina, vivendo seus sonhos, projetos e amores, Kátia teve seu futuro interrompido por um ‘acidente’ tão rápido quanto inexplicável. Passou a viver dependente da ajuda das pessoas à sua volta. Apaixonada pela vida, Kátia buscou alternativas, terapias, saídas, e, aos poucos, a sensação de vazio foi sendo preenchida pela vontade de conquistar novamente a existência.

 

Feliz Ano Velho. Marcelo Rubens Paiva. Editora Alfaguara (2015)

Feliz ano velho é o primeiro livro de Marcelo Rubens Paiva. Aos vinte anos, ele sobe em uma pedra e mergulha numa lagoa imitando o Tio Patinhas. A lagoa é rasa, ele esmigalha uma vértebra e perde os movimentos do corpo. Escrito com sentido de urgência, o livro relata as mudanças irreversíveis na vida do garoto a partir do acidente. Ele é transferido de um hospital a outro, enfrenta médicos reticentes, luta para conquistar pequenas reações do corpo. Aos poucos, se dá conta de sua nova realidade, irreversível. E entende que é preciso lutar. O texto expressa a irreverência e a determinação da juventude, mesmo na adversidade, e a compreensão precoce “de que o futuro é uma quantidade infinita de incertezas”.

Salvando Meu Filho. Richard Galli. Editora: Sextante/Gmt (2001)

Descreve os dez dias que se seguiram ao acidente com Jeffrey, o filho de 17 anos de Galli, depois que ele mergulhou numa piscina, bateu a cabeça, foi salvo pelo pai, mas ficou tetraplégico. Galli, então, se vê forçado a encarar um futuro não imaginado para o filho e a decidir se o “salva” novamente – desligando os aparelhos que o mantém vivo.

 

Superar O Impossivel – Uma Historia De Grande Determinicao. Christopher Reeve. Editora: ALEGRO (2003)

Neste livro, Christopher Reeve mostra ao leitor que ninguém precisa aceitar qualquer tipo de limitação – imposta por si mesmo ou por terceiros -, podendo recorrer à força interna que pulsa em cada um e apenas aguarda uma decisão para ser despertada. O livro ensina que a vida não deve passar em brancas nuvens, podendo ser vivida em sua plenitude, com entusiasmo, curiosidade e gratidão. Reeve demonstra que sempre é possível viver intensamente, contando histórias surpreendentes sobre sua carreira, sua lesão na coluna e sua dedicação a muitas causas. O autor intercala relatos de sua própria vida com trechos de entrevistas e discursos seus e com fotos evocativas tiradas por seu filho Matthew, e oferece ao leitor suas reflexões.

Ainda Sou Eu. Memórias. Christopher Reeve. Editora: DBA

Vitórias e derrotas. É sobre elas que este livro vai falar. Christopher Reeve o mundialmente conhecido Super-Homem sofreu no dia 27 de maio de 1995 um acidente que mudou toda a sua vida. Homem ativo esportista com carreira brilhante ele se viu preso à cadeira de rodas tendo mobilidade apenas do pescoço para cima. A luta diária a perseverança a crença de que tudo pode ser melhor dão a esta autobiografia aspectos bem semelhantes àquela série de filmes tão conhecida entre nós em que o protagonista é um herói.

A Doce Sinfonia Do Seu Silêncio. Luciana Scotti. Editora: O Nome da Rosa |1999

Luciana desvenda suas intimidades, seus sonhos e fantasias, suas emoções e sensações, o despertar de sua sexualidade, a descoberta do amor, mostrando que, mesmo jovem e deficiente, atingiu a plenitude.

Você tem mais alguma sugestão? Comenta! =)

COMPARTILHAR
Editora-chefe do Reab.me. Terapeuta Ocupacional (UFPE). Especialista em Tecnologia Assistiva (UNICAP). Mestre em Design e Ergonomia (UFPE). Consultora em Tecnologia para Reabilitação.

DEIXE UMA RESPOSTA