“Eu erro, tu erras, ele erra...” Os erros e fracassos fazem parte da vida e podem nos tornar melhores pessoas e profissionais.

Listamos, inicialmente, aqui 10 erros que podem te fazer ser uma “pessoa-profissional” (PP) muito melhor. No entanto, vocês foram acrescentando outros erros e aumentamos a lista para 13 (obrigada seguidores do Instagram @reabme!!)

P.S: Usamos esse “PP” aí em cima porque não basta ser só “técnico”, ter o conhecimento dos livros, artigos e congressos, é necessário ser uma “pessoa” também, ser humano, sensível… isso com certeza faz nascer um profissional mais capaz e dá origem a um “PP”;))

Mas vamos aos erros??

  • Não deixar claro o papel da família no processo de reabilitação.
  • Não ter uma escuta atenta a família e ao paciente.
  • Não explicar para o paciente ou família porque está usando certos materiais como recursos, em especial os que aparentemente são “simples”.
  • Não deixar orientações escritas para familiares/cuidadores.
  • Não personalizar as orientações e alguns materiais de uso pessoal do paciente.
  • Não fazer reuniões periódicas com a família seja lá qual for o setting terapêutico.
  • Não fazer reuniões periódicas com os profissionais envolvidos com quem está sendo atendido; em especial, quando esse atendimento não é institucional (o que não cria oportunidades de encontros e trocas entre os profissionais).
  • Não ter folha de frequência para gerenciar os atendimentos.
  • Não compartilhar informações, sejam técnicas ou pessoais de cada caso – desde que cabível e que não interfira na ética dos atendimentos –  com os colegas de trabalho, seja da mesma profissão ou de outras áreas da saúde/educação/assistência que tenham relação com aquele paciente.
  • Não diferenciar os materiais que pertencem ao profissional e à instituição.
  • Manter-se em contextos de trabalho que estão incômodos e insatisfatórios.
  • Vestir-se inadequadamente nos atendimentos ou nas reuniões clínicas.
  • Não investir em cursos de capacitação na sua área de atuação.

Esses não são os únicos erros que Reabilitadores podem cometer, mas são 13 de muitos outros que vocês podem nos ajudar a listar! Tem algo a acrescentar, comente. =)

 

Sou terapeuta ocupacional de formação, comunicadora por dom e experiência ao longo dos 10 anos frente ao reab.me; empresária que aposta na produção de produtos e conteúdos significativos e com propósito para ajudar as pessoas que precisam dos cuidado da reabilitação. Editora-chefe do Reab.me. Terapeuta Ocupacional (UFPE) com especialização em Tecnologia Assistiva (UNICAP). Mestre em Design (UFPE). Sou autora de 4 livros de exercícios para estimulação cognitiva que servem como material de apoio em contextos terapêuticos que visam a manutenção ou melhora de disfunções cognitivas. Sendo eles: - 50 exercícios para estimulação cognitiva: o cotidiano em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a culinária em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva: a família em evidência; - 50 exercícios para estimulação cognitiva de crianças com dificuldades de aprendizagem. No mais, sou Ana, esposa de Fábio, mãe de Olga e Inácio. Praticante de meditação e yoga.

5 COMENTÁRIOS

  1. Excelente colocação Ana! Você como sempre trazendo reflexões importantes sobre a nossa atuação e responsabilidades no dia- a dia profissional. PARABÉNS!!!

  2. Sou mãe de uma menina especial e um tópico que vc ajudaria muito incluindo seria o erro de não repassar o que foi feito na terapia. Obrigada pelo excelente conteúdo

Deixe uma resposta para Kelly Freitas Cancelar resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.